Assine Já
sábado, 13 de agosto de 2022
Região dos Lagos
25ºmax
15ºmin
08 Dez 202112h08

Paradoxos

Escrevo esta crônica e olho o calendário. Ou talvez, escrevo esta crônica porque olho o calendário. Já é dezembro, um mês que sempre rebuliçou meus sentimentos, num misto de compromissos letivos/pedagógicos, confraternizações, reflexões e nostalgias. Em dezembro me invade o paradoxo do cansaço e da renovação. A louca da esperança que mora no 12º andar do ano atira-se e torna-se a...
29 Nov 202113h01

Por que poesia?

Para que serve um poema, ou ainda, qual é a utilidade de um texto poético?  Será que só precisamos disso: palavras e sentidos úteis, com funções e disposições claras, efetivas, objetivas e pragmáticas? O que mais somos, o que mais queremos, do que mais precisamos? Não seria dessa outra esfera que inconformada com o alimento apenas físico, nos oferece a nutrição da alma?  “A gent...
29 Nov 202113h01

Setembro amarelo e freiriano

Esta crônica poderia ser freiriana e, portanto, educativa, pedagógica, revolucionária. Mas setembro está indo e o amarelo dos seus dias não pode morrer. Não deve morrer, não se deve morrer, não sem antes viver! Como o sol garantindo-nos diariamente vida, setembro necessita partilhar sua cor por todos os outros meses. Ainda que haja sol todos os dias, nem sempre o vemos ou sentimos. ...
02 Set 202118h07

Agosto

Agosto. Um mês que carrega estigmas, que carrega rixas, que carrega tópicos, que carrega dias, que me carrega. Tenho que tomar cuidado pra não deixar minha crônica virar um poema. Explico: sou mais poeta que cronista, mas nada impede que eu faça poesia por aqui, afinal, a poesia não pertence apenas ao poema. A poesia não pertence, ela é. Prometo que conversamos sobre ela depois, ou quem...
19 Ago 202116h36

Estiagem

Há tempos não escrevo uma crônica. Tenho sorte de ainda poder fazê-lo neste espaço, ainda que possa ter sido, pelo meu próprio silêncio escrito, esquecida. Permitam-me lembrá-los da minha escrita, permitam-me ser lida de novo, permitam-me tentar explicar minha pseudo fuga. Não se foge de fato das palavras, não quando elas valsam, barulham, inquietam, angustiam e aliviam-se, constantemen...
14 Mai 202111h53

Não é a vontade de Deus

Estou tentando escrever uma crônica leve e esperançosa; ou quem sabe, poética e simbólica; tento ainda um texto consciente e engajado. Mas estou cansada, tão cansada! Tudo me escapa, mesmo que palavras me consumam. Todos os caminhos de escrita pelos quais costumo percorrer ou descobrir, apertam-se, estreitam-se, desaparecem... Sinto-me sem saída, sem ao menos lugar. Perdoe-me, leitor, gosta...
28 Abr 202115h24

E agora?

Aviso leitora, leitor, esta crônica já começa errada. Eu não queria de fato ter usado a frase senso-comum, mas deveras inquietante do título. Ela deveria ter sido ‘E o agora?’ Mas, e agora, talvez tenha te feito vir aqui mais rápido ler este texto. Estamos tão aflitos por respostas e um escritor, ao menos alguns, quando iniciam seus escritos com perguntas, ensaiam respondê-las. Nã...
02 Abr 202112h12

Ah, o ano atrás

Há um ano atrás, comecei a usar máscaras, mas baixei verdades. Há um ano atrás, passei a lavar mais as mãos, e menos a alma. Há um atrás, o eventual álccol gel passou a penetrar meu cotidiano e a ressecar minha pele. Há um ano atrás, passei a ter mais medo do outro e de mim. Há um ano atrás, os abraços, meu toque preferido, foram restritos, os meus braços ainda sentem falta do movi...
12 Mar 202121h13

Sou mulher, eu conto

Em março comemora-se, mundialmente, o dia da mulher. Aprendemos que essa foi a data de um incêndio numa fábrica têxtil em Nova York, 1857, que matou cerca de 120 mulheres trabalhadoras. De acordo com essa informação, o incêndio foi provocado porque reivindicavam melhorias trabalhistas. Não obstante, há provas de que esse incêndio acontecera na realidade em 25 de março de 1911 e n...
03 Mar 202116h42

Filosofando a palavra

Na Antiguidade Clássica, Aristóteles já afirmava que o ser humano é um ser de linguagem e mostrava os vínculos desta com o pensamento, com a racionalidade. Platão, por sua vez, afirmava que a palavra é um pharmakon (fármaco, medicamento em grego), que pode agir como um remédio ou como um veneno, dependendo da forma como é usada. A palavra, portanto, não é boa em si mesma, mas tem um v...
Primeira Página Anterior
Última Página