Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
PMDB

Escândalos em série arranham imagem do PMDB

Líderes do partido na região acreditam que sigla tem força para superar a crise

04 abril 2017 - 06h36
Escândalos em série arranham imagem do PMDB

Enquanto o castelo de cartas do PMDB desmorona ao sabor dos escândalos de escândalos que já resultaram na prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha, do ex-governador Sérgio Cabral e na recente condução co­ercitiva do presidente da Assem­bleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, caciques da le­genda na Região dos Lagos re­conhecem o momento crítico, mas argumentam que a crise po­lítica não se restringe ao partido.

O prefeito de Cabo Frio, Mar­quinho Mendes, presidente do PMDB no município, afirma que momentos de turbulência não são novidade e que a sigla tem fôlego para passar por este momento.

– O PMDB é um partido histó­rico e um dos maiores do Brasil, que já passou por momentos de turbulência, como é o momen­to atual, e sempre soube superá-los. Não vai ser diferente agora. Estamos falando de um partido que ajudou a construir a demo­cracia brasileira. Problemas in­ternos e períodos de dificuldade existem em todas as siglas, mas poucos partidos têm a força que o PMDB tem para passar por isso e ficar ainda mais forte.

Já o prefeito de São Pedro, Cláudio Chumbinho, diz que o momento é crítico para todo o país.

– O momento é crítico não apenas para o Estado e o parti­do, mas para todo o Brasil. Nos­so país vive uma crise política, em que infelizmente cada vez menos a população acredita em seus governantes, por tudo o que é noticiado diariamente. São Pe­dro da Aldeia seguirá fazendo seu dever de casa, com transpa­rência no poder público e muito trabalho para desenvolver nossa cidade, para que seja o mínimo possível afetada pela crise finan­ceira. Esperamos que dias me­lhores cheguem para todos nós.

Crise – Se já não era boa, a situação do PMDB piorou ainda mais na semana passada, quando o presidente da Alerj, Jorge Piccia­ni, foi levado coercitivamente para prestar depoimento na Polícia Fede­ral, por suposto envolvimento em es­quema de pagamento de propina para conselheiros do Tribunal de Contas de Estado (TCE-RJ). Picciani pas­sou a ser considerado o maior caci­que peemedebista do Estado após a prisão, em novembro, do ex-governador Sérgio Cabral, acu­sado de chefiar uma quadrilha que desviou mais de R$ 224 mi­lhões dos cofres públicos.

Além disso, alvejado por pedidos de impeachment na Alerj e citado na Operação Lava Jato, o governador Luiz Fernando Pezão sofreu dura derrota na semana passada, quando teve negado o recurso que tentou impedir a cassação da chapa Pe­zão/Dornelles na eleição de 2014. O governador é acusado de abuso de poder econômico e político, pois o então candidato à reeleição teria concedido isenções fiscais em troca de doações de campanha.

Como desgraça pouca é bobagem, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha acaba de ser condenado a 15 anos de prisão, acusado de corrup­ção na Petrobras e remessa ilegal de dinheiro para o exterior. Aposta para o futuro próximo, o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes, também recebeu respingos da Lava Jato.

Com tantos problemas a driblar, fica a pergunta: o partido vai sofrer consequências desta imagem arra­nhada nas próximas eleições?

Para o cientista político e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) de Campos, Márcio Malta, os acontecimentos não são coincidên­cia e refletem um modelo que es­cancaram a relação promíscua entre políticos e grandes empresários, so­bretudo com relação às doações de campanha. Contudo, ele acredita ser prematuro falar sobre os efei­tos dos acontecimentos recentes para o futuro da legenda.

– É cedo para dizer. O partido tem muitas ramificações, muitos prefei­tos e uma bancada numerosa. A sigla é muito forte e sua queda não são fa­vas contadas. Houve uma desmora­lização junto à opinião pública após a crise de 2013, mas o partido con­seguiu se reerguer. Não consigo en­xergar muitas mudanças. Esse efeito fica muito na esfera moral, mas não deve se converter no momento do voto – avalia o especialista.

A opinião do cientista político é a mesma do historiador Paulo Ro­berto Araújo, colunista da Folha. Para ele, o pior passou, já que consi­dera a prisão de Sérgio Cabral como o auge da crise do partido:

– Sérgio Cabral era o único que poderia aparecer como um possível candidato para as eleições de 2018 e 2022 e com chances de ser eleito, coisa que o PMDB não tem.

Paulo Roberto acredita que, mesmo com toda a crise, o partido não perderá votos.

– O PMDB, por conta desta crise, não diminuirá de tamanho, como foi o caso do PT. Isso porque o partido tem uma máquina eleitoral espa­lhada por todo o país, então, o que eles perdem em um estado podem compensar com a ascensão de ou­tras lideranças regionais – opina o historiador.