Assine Já
sexta, 22 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
21ºmin
Coluna

Fusão das artes

18 dezembro 2020 - 19h10

Lá estava ela, a bailarina, entre compasso e descompasso, buscando a harmonia da fusão. Na pausa das sapatilhas, a bailar estavam seus olhos, buscando equilibrado acorde que tocasse seu coração. Não conheceu a sonoridade em concerto, contemplada, admirada, ao deslizar das mãos; Bailava solo silencioso, e no olhar mantinha a intenção, mas a alma ecoava à pianista, ‘um acorde’, simples que fosse, notas que bailassem em harmonia, arrancando e levando pra longe, os seus dias de solidão. 

Silenciando todo som que havia ao redor, em fuga foi-se a bailarina; Seus passos acelerados por se sentir tão só. O belo é saber que havia no mesmo espaço, compartilhado, instintiva alma de poeta que entendeu sua dor; Assim, mais que depressa, recorrendo à caneta, em instante libertador, repousou os versos da alma em silenciosas estrofes, pois a doce bailarina, com atenção ao ‘silêncio sonoro’, sua verdade compartilhou. 

Ali estava a pianista com alma de poeta, a reger letra por letra, compondo com intenção; Acreditando na paz, que a arte em fusão ecoa, repousando na humanidade que anseia a reconstrução. Tem gente vagando em pedaços, com ritmo incerto em seus dias, externando sombrio clamor. Necessário é unir as artes, com dose extra de sensibilidade, fundir o bailar das letras com deslizar das teclas que um dia intencionou, fazendo voar as sapatilhas, e libertar o amor. Aprender o silêncio da bailarina, e seu olhar acolhedor; O pedido feito à pianista, que com alma de poeta, seus versos, então, libertou. 

Já não mais descompassados passos, mas um bailar em equilíbrio, que a plateia presenciou. Sentimento compartilhado no silêncio das entrelinhas, berço dos versos meus; Deixo afetuoso abraço, aos poetas, aos pianistas, bailarinas, músicos, artistas, principalmente a você, leitor, que de mim extrai a essência, em rimas sonoras, harmoniosas, com ritmo peculiar, onde bailam também minhas mãos, ora em teclas, ora sobre as pautas, com inesgotável anseio de permanecer versando, até meu fôlego findar.