Assine Já
quarta, 28 de julho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46056 Óbitos: 1864
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12562 754
Iguaba Grande 4756 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
DANÇA DAS CADEIRAS NÃO PARA

Clésio deixa Secretaria de Fazenda e dá vaga a ex-procurador-geral

Bruno Aragutti vai passar a responder pelas finanças do município de Cabo Frio

18 agosto 2020 - 18h59Por Rodrigo Branco

As mudanças no primeiro escalão da Prefeitura de Cabo Frio não param. Nesta terça-feira (18), o governo municipal anunciou a saída do professor Clésio Guimarães Faria da Secretaria de Fazenda, depois de pouco mais de um ano. Ele será substituído por Bruno Aragutti Mônica que havia deixado a Procuradoria-Geral do município nesta segunda-feira (17).

 Já Clésio passará a ser assessor especial do prefeito Adriano Moreno (DEM), assim como seu antecessor Antônio Carlos Nascimento Vieira, o Cati, e também responsável pela Casa do Empreendedor. Até o fechamento desta reportagem, as novas mudanças não haviam sido publicadas no Diário Oficial on-line do município.

“Com vasta experiência na área, Clésio atuará ainda na elaboração de benefícios fiscais atrativos para a instalação de empresas na cidade, uma alternativa para aumentar a arrecadação de impostos e desvincular da dependência financeira dos royalties neste momento em que Cabo Frio vive a pior crise financeira da história”, diz o comunicado da Prefeitura, que ressaltou ainda a experiência de Aragutti como advogado tributarista.

A dança das cadeiras no primeiro escalão no governo de Cabo Frio começou nesta segunda-feira (17), quando o professor Paulo Cotias entregou o cargo de secretário de Turismo. Seu sucessor ainda não foi anunciado. Horas mais tarde, o Diário Oficial publicou as exonerações do secretário de Cultura, Milton Alencar Junior, e do próprio Aragutti, da Procuradoria-Geral. Milton ainda não tem substituto, enquanto para a vaga de procuradora foi nomeada Renata Souto Perdigão Granha, que era subprocuradora de Saúde, Assistência Social, Educação e Lazer.

Desgaste – A saída de Clésio Guimarães acontece após um longo processo de desgaste que coincide com o período de atrasos salariais. Durante toda a gestão do economista e professor universitário, que também atuou em governos anteriores do ex-prefeito Marquinho Mendes, o governo municipal jamais conseguiu deixar de fracionar os salários. Nos últimos quatro meses, até mesmo os vencimentos de aposentados e pensionistas foram escalonados, contrariando a legislação.

A dificuldade de pagar em dia associada à pressão dos sindicatos de trabalhadores vinha minando o trabalho de Clésio, que chegou a admitir, mais de uma vez, a vontade de deixar o cargo, embora tenha declarado à Folha que não o entregaria. Na última entrevista ao jornal, mais uma vez falou da queda na arrecadação e na necessidade de cortar despesas para equilibrar as contas. Somente no primeiro semestre deste ano, a Prefeitura alega que deixou de arrecadar R$ 53 milhões, por causa da pandemia do novo coronavírus.

– Eu venho avisando ao prefeito desde agosto a necessidade de cortar de R$ 3 milhões a R$ 4 milhões para conseguirmos chegar a um equilíbrio. Infelizmente, esse é um mal necessário. Vamos ter que trabalhar com o ‘mínimo do mínimo’. Com a folha mais enxuta, já equilibra, mas não põe [os salários] imediatamente em dia, pois hoje temos praticamente um mês de salário atrasado – declarou, na semana passada.

 

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.