Assine Já
terça, 19 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Coluna

De leve

Como tudo ou quase tudo se tornou uma manifestação de cultura e pensamento, fica difícil definir dentro de um contexto de liberdade de expressão o que é ou não socialmente conveniente.  Isso se reflete nas manifestações de ódio e intolerância, algo tão re

24 janeiro 2018 - 19h08

Como tudo ou quase tudo se tornou uma manifestação de cultura e pensamento, fica difícil definir dentro de um contexto de liberdade de expressão o que é ou não socialmente conveniente. 

Isso se reflete nas manifestações de ódio e intolerância, algo tão recorrente nas redes sociais quanto na vida real, onde as mazelas do preconceito ainda insistem em ganhar contornos de uma inocente comédia, a da vida do outro é claro. 

Longe de advogar um moralismo estrito não estaríamos, contudo, tolerantes demais quando damos toques gourmet a coisas como o recente hit do momento, o tal da “surubinha de leve”? Para essa e várias outras concessões que transformam drogas, bebidas e comportamentos em bens de consumo desejáveis e identificáveis, só nos resta assistir com espanto a desvalorização e a vulnerabilidade cada vez maior dos segmentos já tradicionalmente mais sensíveis a esse processo.

O mais curioso é que se nos alongarmos numa palhinha antropológica vamos notar que as famílias são as maiores facilitadoras de todo esses acontecimentos pela simples e direta inércia da indiferença. O crescimento das “festinhas sociais” em casas particulares ou em conhecidos “night clubs” onde menores consomem sem nenhum tipo de constrangimento bebidas, drogas e experimentam os roteiros sexuais musicados pelos novos arautos de um execrável segmento da música funk, tudo isso devidamente registrado e compartilhado de modo viral pelos grupos de whatsapp, com a total e irrestrita anuência dos pais/responsáveis , são sintomas de que estamos diante de uma geração de abandonados. 

 E para ficar ainda mais no clima da relatividade pós-moderna, estamos vendo muitos desses jovens tanto nesses ambientes quanto em grupos de igrejas. Ou seja, será que as famílias transformaram a realidade dos filhos em uma rotina de despachos para que possam seguir “sem culpa” com suas próprias vidas? 

No fim das contas, vem o tão esperado carnaval com todos os excessos que lhe são típicos e favoráveis. Mas ele não seria tão preocupante se fosse apenas o que sempre foi, a catarse de uma sociedade sufocada pelo moralismo religioso, mas esse é um tempo que não mais existe. Hoje há uma liberdade que nos intoxica, não oferecendo nenhuma resistência, nenhum limite ou um freio à boca para quando transformam a ética em um discurso utilitário.

E olha que ainda teremos eleições e não causa nenhum espanto que esses mesmos jovens “de leve” sejam os mesmos que levantam a carregam a bandeira da violência como solução social, do preconceito como instrumento didático e do simplismo da aceitação acrítica da desigualdade como algo natural. A tal “turminha do mito”...

É torcer pelo menos para não rolar mais um surto nacional de febre amarela. Pelo menos isso para 2018...

 

Leia Também

Panorama
Panorama
Turismo: Teoria e Prática
Há muitas nuances e alguns descaminhos quando o assunto é turismo. Por de trás da expressão tão conhecida que indica a possibilidade de viver dos seus dividendos, existe uma cadeia de conhecimento e boas práticas que podemos considerar indispensáveis. O c
De leve
Como tudo ou quase tudo se tornou uma manifestação de cultura e pensamento, fica difícil definir dentro de um contexto de liberdade de expressão o que é ou não socialmente conveniente.  Isso se reflete nas manifestações de ódio e intolerância, algo tão re