Assine Já
terça, 07 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53859 Óbitos: 2198
Confirmados Óbitos
Araruama 12575 449
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15647 903
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7057 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
FIM DE ANO

Secretaria de Turismo de Cabo Frio quer descentralização da festa de Réveillon

Decisão foi tomada para que haja maior possibilidade de controle e organização

31 julho 2020 - 15h14Por Redação

A Secretaria Municipal de Turismo da cidade de Cabo Frio apostará na descentralização da festa de Réveillon. A decisão foi tomada para que haja uma maior possibilidade de controle e organização devido à situação atual do novo coronavírus.

De acordo com Paulo Cotias, secretário da pasta, as comemorações ficarão a cargo dos hotéis, pousadas, clubes; bares, restaurantes e pólos gastronômicos, visto que todos esses segmentos empresariais já estão sujeitos às normatizações e limitações constituídas pelos decretos municipais.

– O nosso entendimento se baseia em descentralizar a festa, permitindo que a iniciativa privada, nas suas respectivas instituições e negócios, possa promover de maneira  organizada a comemoração com todos os protocolos necessários – conta o secretário, acrescentando que a ampla variedade de plataformas digitas e virtuais podem ser eventualmente incorporadas na composição das comemorações.

O município não terá a tradicional festa de Réveillon com shows e fogos de artifício.

–  Não haverá queima de fogos em lugares isolados e promoção de qualquer tipo de show em áreas públicas –  afirmou o secretário.

Rede hoteleira

Em relação à rede hoteleira de Cabo Frio, Carlos Cunha, presidente da Associação de Hotéis do município, disse que a recuperação do segmento tem sido lenta.

– Nós estamos com uma recuperação bem lenta porque a gente tem um limite de 40% da ocupação hoteleira. Por mais que a gente consiga ocupar essa porcentagem, coisa que até agora não aconteceu, as contas não serão totalmente pagas – conta o presidente.

Cunha acredita que, se a pandemia estiver mais controlada nos próximos dias, a flexibilização em relação à porcentagem de ocupação hoteleira será maior.

– Neste ano, não teremos lucro. A gente vai trabalhar o restante do ano de 2020 para tentar se manter. Em 2021 é que a gente vai começar a ter algum lucro e pagar as dívidas que ficaram pendentes ao longo desses quatro meses parados [março – julho]. Acredito que nós voltaremos à normalidade a partir do próximo verão, em 2022 – conclui o presidente.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.