Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Hospital da Criança

MPF quer explicações sobre fechamento do Hospital da Criança

​Prefeitura de Cabo Frio tem 15 dias para informar providências a serem tomadas na unidade

22 março 2019 - 18h23Por Redação I Foto: Reprodução
MPF quer explicações sobre fechamento do Hospital da Criança

A pressão por esclarecimentos sobre a crise na Saúde de Cabo Frio ganhou mais um ingrediente nesta sexta-feira (22), quando o Ministério Público Federal (MPF) anunciou que fez um pedido de explicações para o prefeito Adriano Moreno (Rede) e para o secretário Márcio Mureb sobre a situação do Hospital da Criança, no Guarani, atualmente fechado e com um muro construído em frente à entrada. Apesar da barreira, o MPF afirma que o local serve de abrigo de moradores de rua.

O procurador da República Leandro Mitidieri Figueiredo deu um prazo de 15 dias para que o governo municipal informe as providências que estão sendo tomadas e qual o prazo para apresentar uma solução ao caso. Atualmente, o Hospital da Mulher, que está sob investigação de duas CPIs, da Câmara Municipal e da Alerj, destina uma ala do prédio, no Braga, para atendimento pediátrico.

O procurador disse que quer esclarecer qual era o fluxo mensal de pacientes no Hospital da Criança e como essa demanda está sendo absorvida. O prefeito Adriano e o secretário Mureb deverão encaminhar documentação que comprove se esses atendimentos estão sendo realizados.

– A gente recebeu essa informação (sobre o fechamento do hospital) e quer saber quantos atendimentos eram feitos ali e como isso está sendo atendido por outras unidades – disse Leandro Mitidieri.

O Hospital da Criança foi fechado no fim de 2016, nos últimos meses da gestão do ex-prefeito Alair Corrêa e assim se manteve durante todo o último governo de Marquinho Mendes (2017-2018). Na gestão de Adriano, iniciada em julho do ano passado, a unidade foi o motivo da primeira grande crise na Saúde, ainda no começo do mandato, quando o então secretário Antônio Macabu afirmou que a unidade não seria reaberta, o que contrariou uma promessa de campanha do atual prefeito.

A construção do muro em frente ao hospital também foi motivo de críticas, especialmente de vereadores de oposição.  À época, a justificativa do governo foi justamente de que o obstáculo impediria a entrada de mendigos e de usuários de drogas. O desgaste contribuiu com a queda de Macabu, que acabaria exonerado com menos de 50 dias de governo.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura que disse já ter sido notificada e que o documento está sendo analisado pela Procuradoria-Geral do município.