Assine Já
sexta, 10 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 327 Confirmados: 3311 Óbitos: 194
Suspeitos: 327 Confirmados: 3311 Óbitos: 194
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 528 19
Saquarema 23 541 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
LUXO NO CABO

Lamborghini alagada em São Paulo é de empresa por trás de possível megainvestimento em Arraial

Veículo de luxo ficou submerso durante chuva em fevereiro; empresa fará apresentação de projeto a empresários do município nesta sexta-feira

02 abril 2020 - 17h53Por Rodrigo Branco e Rodrigo Cabral

No início de fevereiro deste ano, a foto rodou os principais jornais do país e viralizou nas redes sociais: uma Lamborghini Hiracán, avaliada em R$ 1,6 milhão, submersa pela água da chuva que caiu em São Paulo.  Sem seguro, o veículo de luxo estava numa garagem do bairro Vila Leopoldina, no dia 10, quando a enchente começou. A Lamborghini é de propriedade da Trend Innov Action, empresa que está por trás do vídeo em que a executiva Carole Crist, ex-primeira dama da Flórida, nos Estados Unidos, anuncia a possibilidade de megainvestimentos em Arraial do Cabo. A informação foi revelada pela coluna Informe dos Lagos, na edição impressa da Folha dos Lagos desta quinta-feira (2), um dia após reportagem publicada no site do jornal trazer à tona, com exclusividade, as articulações da companhia para apresentar o projeto à Prefeitura.

O CEO da Trend, Vinicius Vilela, afirmou à Folha que o custo de reparo da Lamborghini ficou avaliado em R$ 600 mil. Isso ainda não foi feito, conta o executivo, por conta da pandemia do coronavírus. O veículo estava na casa de um projetista, já que passaria por modificações para ser utilizado numa série de vídeos. A ideia, conta Vilela, é que vire uma "obra de arte", para que seja leiloado em seguida. Depois, o recurso financeiro, prossegue o executivo, seria doado a projetos sociais. Não há definição de quais projetos seriam esses.

– Cinquenta por cento da arrecadação virá para o Brasil. E cinquenta por cento para a África. Serão selecionados na internet, no curso das gravações – afirma Vilela. 

Ele lembra do episódio como uma "fatalidade que surpreendeu".

– Íamos fazer gravações na Itália, Espanha, Alemanha, França. Tínhamos a Europa no roteiro. O carro vai ser preparado para ser uma obra de arte. Vai receber pintura especial, feita por seleção na internet de vários artistas brasileiros e do mundo. Vai ser colocado na parede, igual um quadro, com uma estrutura. Isso será feito num hotel icônico de Dubai. Há uma estrutura muito grande atrás do projeto, que tem cunho social de alto impacto. Recebemos várias propostas do mercado [para aquisição do veículo]. Até mesmo ofertas de outras montadoras de carro. Inclusive, eu tinha que estar em Dubai agora. Um dos assuntos seria esse. Mas, no momento, o projeto está congelado [por conta da pandemia do coronavírus]. Acredito que daqui a 30 ou 40 dias iremos retomá-lo. Foi uma tristeza muito grande [o alagamento]. Essa fatalidade nos surpreendeu.

Realidade ou ficção?

Na internet, a empresa se apresenta como produtora de conteúdo visual – desta forma, inclusive, foi retratada por reportagens publicadas na época do alagamento da Lamborghini. Em seu site oficial, no qual indica endereços e representantes em sedes no Brasil, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos, a companhia afirma que é "especializada em estratégias disruptivas através de projetos audiovisuais como: documentários, sérias, reality shows, talk shows e filmes". Diz ainda o texto, originalmente escrito em inglês, que "essas estratégias são sempre desenhadas para impulsionar produtos, negócios e marcas com o objetivo de aumento de engajamento e monetização".

Um questionamento aparece diante da descrição: de que forma uma empresa do ramo audiovisual pode estar na posição de alavanca de investimentos que podem incluir resorts e cruzeiros, conforme divulgado? Vinicius Vilela afirma que "o audiovisual é um dos vieses trabalhados":

– Somos uma empresa de estratégias disruptivas e exponenciais. Uma empresa de planejamento estratégico. 

O projeto, batizado 'Texy Arraial do Cabo’, tem como espelho a cidade de Dubai, nos Emirados Árabes. Ele foi apresentado ao prefeito Renatinho Vianna, pessoalmente, por Vinicius Vilela. No vídeo, a ex-primeira dama da Flórida passa uma mensagem diretamente ao prefeito. "Parabéns, prefeito Renato, por ser um prefeito visionário", ela diz. 

Segundo seus divulgadores, o Texy tem como premissa reunir investidores internacionais interessados em apostar no "desenvolvimento econômico" de cidades. No entanto, no Google, uma busca sobre o termo "Texy" acaba sem resultados. Questionado a respeito da falta de informações públicas, Vilela responde que se trata de "um projeto novo". Ele conta ainda que Arraial não é o único alvo e que 20 cidades do Brasil podem receber o projeto.

 Um pré-lançamento online para o empresariado de Arraial está marcado para sexta-feira (3). O Texy prevê não apenas a participação do poder público, mas de empresários locais, chamados de ‘Guardiões do Futuro da Cidade’, que estejam dispostos a fazer parte do empreendimento. 

– Tudo isso está dentro de uma série chamada 'Dubai, da Areia aos Céus'. Dentro dessa série, está sendo desenvolvido o Texy, orientado pelas estratégias que fizeram Dubai ter sucesso. Entre elas, a capacidade de criar projetos que atraiam o olhar de investidores de fora. Vão ser aplicadas várias estratégias no Texy. Começa com quebra de paradigma, a mudança da visão. Dubai, em 1960, só tinha areia. Era areia, cabana e camelo. E nem por isso deixou de se acreditar que ali podia ser construído algo disruptivo e inovador. Dubai, hoje, está entre os sete lugares mais visitados do mundo.  Recebeu, ano passado, quase 17 milhões de pessoas. 

Se, de um lado, a repercussão do projeto foi vista como oásis por algumas pessoas, de outro a preocupação com o meio ambiente tornou-se um dos principais argumentos em debates travados nos comentários do site e nas redes sociais da Folha. O executivo da Trend afirma que já está em tratativas com a Secretaria de Meio Ambiente do município. 

– As questões ambientais estamos conversando com a secretaria de Meio Ambiente. Faz parte do compromisso de desburocratizar ao máximo os processos. Nós vamos fazer isso de forma extremamente sustentável. Até porque esses investidores não colocam dinheiro em projeto que não tenha impacto social e ambiental positivo, que não seja orientado pelos 17 objetivos [de desenvolvimento sustentável] das Organizações das Nações Unidas (ONU). Isso não vai ser entrave.


À Folha, o prefeito Renatinho Vianna disse que as conversas "estão fluindo".

– Foi o grupo que procurou a gente. A gente até fica meio escaldado quando vem um grupo assim, nesse sentido, que promete esse tipo de coisa e, às vezes não vinga. A gente recepcionou, sentimos firmeza, até que provem em contrário. As coisas estão fluindo. Vamos torcer para dar certo. Arraial está à disposição, de portas abertas para qualquer tipo de investimento que seja positivo para a cidade e para a população. Vamos ver – comentou o prefeito, que é aguardado para um evento com possíveis investidores, no fim de junho, em Mônaco.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa. Ligue já ou envie mensagem pelo WhatsApp: (22) 99933-2196.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.