Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
cidade

Ano quatrocentão vira semana em Cabo Frio

Sem empréstimo, Carnaval e Ano Novo também estão ameaçados

10 outubro 2015 - 13h54Por Nicia Carvalho

Agora é oficial: a exatos 32 dias do aniversário de 400 anos de fundação de Cabo Frio, celebrado em 13 de novembro, o grandioso projeto de um ano de atividades comemorativas vai se transformar em semana. Ou até menos. A programação final deve ser divulgada pela prefeitura nos próximos dias, mas a previsão é de que possam ser somente de três a quatro dias de celebração. O motivo seria a queda na arrecadação da receita municipal, e a aposta do governo para a realização destes e de outros eventos, como o ano novo e até mesmo o desfile das escolas de samba, está no empréstimo por antecipação dos royalties. Em Cabo Frio, o valor seria de cerca de R$ 320 milhões.
– Enquanto a cidade não se recuperar da crise, não tiver re¬cursos financeiros, não temos como fazer nada: nem calendário maior de 400 anos, desfile das escolas de samba, Ano Novo ou reforma na Morada do Samba, que continua interditada. Se o empréstimo sair tudo acontece como antes – explicou José Facury, secretário de Cultura.
Segundo ele, mesmo com a redução drástica para alguns dias, a programação de aniversário vai contar com ações como dança, teatro, música, roda de jongo, feira agrícola, entre outras. Por conta do arrocho financeiro, as atividades serão desenvolvidas pelos contemplados com o Proedi (Programa Municipal de Editais de Fomento e Difusão Cultural) como forma de contrapartida social, previsto no regulamento do edital. As iniciativas, que tem parceria da Universidade Estácio de Sá e do IBRAM, acontecerão em frente ao Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Mart), ao lado do Convento Nossa Senhora dos Anjos.

 Contudo, apesar da aposta no empréstimo para a realização dos eventos em geral, a resolução que oferece socorro aos municípios fluminenses – proposto pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e aprovado pelo Senado Federal no fim de maio – obriga que do total, 60% sejam aplicados em Saúde e Educação. Apenas 40% podem ser usados, por exemplo, para despesas com pagamento de folha de pessoal e de dívidas antigas. 

*Confira matéria completa na edição deste fim de semana