Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
Coluna

Memória de uma Epidemia-Cólera 1855

20 março 2020 - 21h55

O navio havia chegado ao porto de Belém, Província do Pará. Levou umas duas semanas para completar uma viagem, que começou em Lisboa, e atravessou o oceano Atlântico com uma série de problemas. Tempestades, falta de água e comida, doenças.

 Estamos em 1855, época em que se inicia uma onda de imigração de portugueses para o Brasil. Essa imigração se intensificou no fim do século XIX, e iria mudar inteiramente a população do país nos anos subsequentes.

Naquele navio, havia centenas de imigrantes portugueses que iam viver no Brasil, e alguns deles vieram doentes com uma moléstia altamente contagiosa. Era a Cólera, uma doença altamente transmissível, capaz de matar os infectados em poucos dias.

Uma epidemia de Cólera já havia feito milhões de pessoas na Índia, na Europa, em países como a Itália, a França, a Inglaterra e a Itália.

Mas ainda não havia chegado ao Brasil, embora já houvesse casos no México e nos Estados Unidos. O Cólera foi a primeira pandemia em escala global do século XIX, e embora atualmente a doença esteja sob controle, foi necessário muito trabalho e muitas vidas para que os médicos e cientistas, na época entendessem o mecanismo de transmissão da doença, e a sua cura.

Quando aquele navio português chegou a Belém do Pará, na metade do século XIX, iniciava-se o ciclo desta doença no Império do Brasil, e suas consequências seriam de grandes proporções para a economia, a sociedade e até mesmo a política.

A epidemia de cólera atacou fortemente a população da Província do Pará, e espalhou-se da seguinte maneira: as rotas de transporte marítimo, fluvial e terrestre ajudaram a levar a doença para o interior daquela província. Mas o pior estava por vir.

Na época, o comércio de cabotagem era muito intenso. Os portos do Recife, de Salvador, Santos, Rio de Janeiro e Porto Alegre eram as principais portas de entrada do comércio de outras regiões do Brasil. As ferrovias eram poucas, não havia estradas de rodagem e portanto, o comércio de todo o país dependia de navios que transportavam os produtos das fazendas do interior.

A epidemia de cólera chegou ao resto do Brasil Império dessa forma, e atacou diretamente a população escrava. Muitos fazendeiros perderam centenas de escravos, exatamente em uma época em que o tráfico negreiro foi extinto. Isso significava que um escravo doente, ou morto, não poderia ser substituído, a não ser que fosse por um outro trabalhador, ou em último caso, por uma máquina.

As epidemias de cólera, varíola, febre amarela e principalmente tuberculose eram os principais fatores de mortalidade da mão de obra escrava. A epidemia de cólera pela sua gravidade foi um verdadeiro teste para o governo imperial. Percebeu-se claramente que o país não tinha condições de criar uma infraestrutura de saúde e de educação. Essa incapacidade teria efeitos para além daquele surto de cólera, na verdade ela iria influenciar diretamente o desenvolvimento do Brasil.

Leia Também

Colaboração e Ciência para salvar vidas
Memória de uma Epidemia-Cólera 1855
IBM - Um obituário e um aviso da História 
Era meados da década de 70, e a Califórnia era, por assim dizer, a capital cultural do mundo naquela época. Sim, Paris era um centro intelectual de grande influência, afinal, pessoas como Jean Paul Sartre e Michel Foucault eram quase tão populares como as
A atualidade de Malba Tahan
Quando criança, um dos primeiros livros que caiu nas minhas mãos foi “O Homem que Calculava”, escrito por Malba Tahan, um pseudônimo do professor Julio César de Melo e Souza. Ambientado no antigo mundo árabe, o livro é um romance, onde cada capítulo conta