Assine Já
segunda, 26 de outubro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
CIDADE CHEIA

Hotelaria de Cabo Frio terá máxima lotação permitida no feriado da Padroeira

Decreto impõe ocupação de 70% dos leitos nos meios de hospedagem da cidade

09 outubro 2020 - 22h04Por Rodrigo Branco

O setor de hotelaria de Cabo Frio terá a máxima ocupação permitida pela Prefeitura, de 70% dos leitos, para o feriado de Nossa Senhora Aparecida, na próxima segunda-feira (12). A informação foi passada pelo presidente da Associação de Hotéis, Carlos Cunha, que destacou que a permissão do governo municipal para aumentar em 30% a capacidade de receber hóspedes ocorreu após mais de duas semanas de diálogo. 

O empresário destacou que a liberação de entrada de ônibus e vans de turismo e do banho de mar nas praias serviu para alavancar a procura por reservas também para a Semana do Saco Cheio, até o próximo dia 18, período em que a cidade recebe muitos visitantes de Minas Gerais, por causa de feriados locais no estado vizinho. Um decreto publicado nesta quinta (8) liberou a entrada de 40 veículos de excursão, sendo 20 que estavam marcados para hotéis, pousadas e hostels e 20 para casas de aluguel regularizadas.

– Ao sair o decreto no fim da tarde, já estava com uma taxa de ocupação de 70% de 10 a 12 de outubro, para o fim de semana e para a semana do Saco Cheio, 40%. Quando saiu o decreto, liberando os ônibus e as praias, automaticamente, nossas reservas aqueceram. Pela manhã, continuamos com 70% e para o resto, já estamos com 60%. Infelizmente o decreto veio muito tarde, demorou um pouco, mas a gente está sobrevivendo – observou Cunha.

A movimentação na cidade ao longo desta sexta-feira (9) confirmou as estimativas da hotelaria. Nos acessos, pela manhã, um grande número de carros chegou ao município. O tráfego intenso resultou em enormes engarrafamentos. Para diminuir o problema, a Prefeitura ordenou a suspensão das barreiras sanitárias no começo da tarde. À noite, um decreto municipal reformulou a ação das barreiras a partir deste sábado (10).

A movimentação na Praia do Forte também era intensa. O decreto que liberou a entrada de veículos de turismo também permitiu o banho de mar, desde que não haja aglomeração. Não foi bem o que se viu. Um grande número de banhistas ignorou o céu nublado e fez a festa na areia. Com permissão para trabalhar todos os dias até 18 de outubro e nos fins de semana, em períodos normais, ambulantes e barraqueiros tentavam recuperar o prejuízo de meses em que foram obrigados a ficar em casa, proibidos de trabalhar.

Monique da Silva, que vende açaí em um carrinho, voltava a buscar o sustento financeiro no Forte, na manhã desta sexta, depois de um longo período.

– Estamos na esperança de ganhar um dinheiro pra compensar esse tempo todo parado. Teve muita gente que não conseguiu receber esse negócio de auxílio. A maior parte dos vendedores não conseguiu. Não recebemos nenhum ajuda de prefeito nem de ninguém. Só trancaram a gente em casa, mas não deram nada – reclama.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.