Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
RETROCESSO?

Com atividades paradas, Cabo Frio segue sem política pública definida para o turismo histórico

Investimento no setor foi paralisado por necessidade de "adequação financeira", segundo Prefeitura

06 outubro 2021 - 13h30Por Redação

Cabo Frio é apontada por historiadores como a sétima cidade mais antiga do Brasil. Sua história, embora esteja impressa em vários pontos turísticos, como Forte São Matheus, Charitas e Museu de Arte Religiosa entre outros, é conhecida ainda por pequena parte da população e vem despertando interesse e curiosidade num número crescente de visitantes. No entanto, até hoje não existe nenhuma política pública de investimento definida para o setor de turismo histórico na cidade.

Um dos trabalhos que mais ganhou visibilidade neste setor aconteceu no mandato do ex-prefeito Adriano Moreno (DEM): começou na gestão do empresário Radamés Muniz à frente da Secretaria de Turismo e foi ampliado quando o professor Paulo Cotias deixou a Superintendência de Turismo Histórico e assumiu a Secretaria após Radamés deixar o governo. Com a pandemia, as ações precisaram ser reduzidas, mas foram completamente suspensas em janeiro deste ano, quando José Bonifácio (PDT) assumiu a Prefeitura.

– O patrimônio histórico e cultural possibilita a realização de múltiplos roteiros de modo integrado. A roteirização histórica pode ser feita usando o mesmo eixo de fundação e de desenvolvimento da cidade até os dias de hoje, ou seja, dos tempos da fundação, passando pela cidade-rural, a era do sal, a dos serviços/turismo e o boom do petróleo. Monumentos como o Forte São Matheus, o Largo e a Igreja de São Benedito, Charitas, a Igreja Matriz, o Convento e a Fonte do Itajuru formam o eixo principal de visitações (articuladas ou individuais). Elas podem ser feitas a pé, com veículos ou por mar. Há a possibilidade de criar roteiros temáticos associando a história com as artes, usando marcos como a Biblioteca, o Charitas, o Mart, a Casa Scliar e o Espaço Torres do Cabo. Há, também, a possibilidade de integrar a história com a religiosidade, com a cultura em geral e suas manifestações. É possível associar a história à dimensão cívica, com a integração das instâncias de poder. É muito importante que tudo isso se torne um produto de prateleira para o trade e dê vazão educacional de visitação, algo essencial – comentou Paulo Cotias, que usou sua formação em historiador para dar mais visibilidade à criação de vários roteiros de turismo histórico no governo anterior.

Um dos primeiros projetos implantados quando Cotias ainda era Superintendente de Turismo Histórico foi o “Caminhos da História”, que atendia os alunos de escolas da rede municipal e particular. Os passeios aconteciam uma vez por semana e passava por locais históricos da cidade como o Solar dos Massa, Câmara de Vereadores, Igreja de São Bento entre outros. Alguns passeios eram realizados a pé, mas a equipe da Secretaria de Turismo também contava com o apoio de um ônibus fornecido pela Secretaria de Cultura. Em todo o trajeto, os alunos eram acompanhados por historiadores, que contavam a história e curiosidades sobre os pontos visitados, e respondiam várias perguntas.

– Fizemos o atendimento histórico no Forte, na Fonte do Itajuru, no Charitas, no Morro da Guia e na Igreja de Nossa Senhora da Assunção. Fizemos o Pôr do Sol Histórico no Morro da Guia, na Praia das Palmeiras, na Praia do Peró, Campos Novos e na Praia de Tamoios. Criamos o atendimento virtual histórico. Enfim, foi bastante coisa. E o número de visitantes era sempre muito alto. Seria muito bacana se isso fosse retomado, reformulado, recriado, rebatizado, não sei. O importante seria ter – comentou Cotias.

O projeto “Pôr do Sol Histórico” foi um complemento do Caminhos da História, lançado no primeiro semestre de 2017. A ideia era reunir pessoas que quisessem desfrutar de um belo pôr do sol, e ainda conhecer um pouco da história local, com um toque de música e poesia. Os encontros eram sempre temáticos. Na primeira edição teve músicas de Tim Maia e poesias do poeta Victorino Carriço. Todos os projetos eram realizados por funcionários da própria Secretaria de Turismo.

Sobre a paralisação de todas essas atividades, a Prefeitura de Cabo Frio informou que a suspensão foi necessária para readequação financeira “em virtude dos gastos necessários com a contratação de pessoal”. Informou, também, que a Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer já reformulou o roteiro de turismo histórico do município, que estará disponível no site da Prefeitura e no aplicativo lançado nesta segunda-feira (27), durante o Fórum Municipal do Turismo.

De acordo com o secretário de Turismo, Esporte e Lazer, Carlos Cunha, roteiros curtos que poderão ser feitos a pé ou de carro já foram desenvolvidos. Também está programada para os próximos meses uma revitalização do mirante no alto do Morro da Guia.

– Os projetos para desenvolver o turismo histórico na cidade serão realizados de forma consciente e sustentável. O objetivo, acima de tudo, é garantir a preservação do patrimônio histórico e gerar renda para a população com o aumento das visitações – afirmou Carlos Cunha.

Enquanto as atividades de turismo histórico não retornam, a Prefeitura anunciou um curso de capacitação em turismo histórico para os guias de turismo de Cabo Frio que são cadastrados no Ministério do Turismo (Cadastur). A capacitação será realizada em parceria com o professor e historiador Acioli Júnior, que recentemente publicou livro com o roteiro ambiental e histórico de Cabo Frio. Esse projeto, segundo Carlos Cunha, tem como objetivo a valorização e o fomento do turismo histórico e patrimonial, utilizando roteiros curtos, a pé, em grupos restritos para retomada gradativa do turismo.

Ao todo, o curso será dividido em cinco módulos. O primeiro encontro será on-line com duração de 1h30. Já os quatro módulos seguintes serão presenciais, com duração de 3h cada um, com os guias de turismo já fazendo o roteiro. Como material de apoio, será disponibilizada uma apostila virtual com o conteúdo de cada módulo. As inscrições já estão abertas desde o último dia 27, e estão disponibilizadas de forma online, no site da Prefeitura (www.cabofrio.rj.gov.br).

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.