Assine Já
domingo, 09 de maio de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 37366 Óbitos: 1428
Confirmados Óbitos
Araruama 9540 293
Armação dos Búzios 4618 57
Arraial do Cabo 1313 69
Cabo Frio 9865 521
Iguaba Grande 3740 92
São Pedro da Aldeia 5088 224
Saquarema 3202 172
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Willian Luz: “Ser base não é concordar com tudo”

Novo líder do governo de Arraial dedica-se a CPIs e planeja apresentar ‘moeda social’

02 setembro 2019 - 19h47
Willian Luz: “Ser base não é concordar com tudo”

Aos 33 anos e no primeiro mandato legislativo, o vereador de Arraial do Cabo  Willian Luz (PT) faz barulho em quase quatro meses de mandato. Ele está no lugar de Ayron Freixo, atualmente secretário de Assistência Social. Nesse bate-papo, o jovem parlamentar fala dos projetos e da polêmica sobre a CPI que preside e investiga o serviço de água e esgoto na cidade.


Folha dos Lagos – Qual o balanço do tempo que está na Câmara?

Willian Luz – A gente entrou com a intenção de botar a vida do povo de Arraial do Cabo na pauta da política, que hoje é infelizmente pautada na política tradicional. São os interesses individuais e não os interesses coletivos. Quando entramos, protocolamos logo duas comissões: uma parlamentar de inquérito, com o objetivo de investigar a Prolagos, sobre o termo aditivo número 5, do esgoto, que ela passou a atender desde 2016; e uma comissão de assuntos relevantes, que a gente protocolou para acompanhar a CPI da Enel e da Light que está instaurada pela Alerj.
 

Folha – A CPI da água e esgoto está parada. Por quê?

Willian – Fomos pegos de surpresa quando a Justiça entrou com uma liminar para suspender a atuação. Pela Câmara, a gente está tentando derrubar para voltar a discussão. Respeitamos todos os parâmetros legais, para termos uma CPI de verdade. Passamos o recesso de julho trabalhando. Fizemos a audiência pública no meio do recesso com uma participação popular incrível. Para a gente solucionar os problemas, temos que botar os setores para conversar. Esperamos que a Justiça se sensibilize para que a gente possa apresentar o relatório final e alguma solução concreta que melhore a vida do povo.
 

Folha – Como é estar na liderança do governo na Câmara?

Willian – Acho que a gente não tem opção. Política é feita de lados. Ficar em cima do muro é o pior lugar porque é onde a pedra passa primeiro. Sempre fui da base do governo. Então nada mais natural do que cobrar do prefeito ferramentas para que a gente possa mostrar para a população que o governo tem o objetivo de melhorar a vida dela, mesmo com as falhas. Ser base não é concordar com tudo. A gente tem que ter espaço para criticar. Prefiro criticar e construir internamente do que ficar criticando sem mostrar solução.
 

Folha – A ‘moeda social’ que vai apresentar é inspirada na de Maricá?

Willian – É um exemplo de um programa social que não é só ‘dar o peixe’. Ele também investe na economia local. O maior ganho é fazer a economia local girar. Quando a gente fala de mil pessoas recebendo R$ 100 por mês, a gente fala em injetar R$ 100 mil no comércio local da cidade. Essa é uma das grandes sacadas desse programa que a gente espera ver logo funcionando no comércio local e melhorando a vida do povo. Para quem ganha uma média de R$ 900, R$ 100 é 10% de uma receita que pode ajudar a comprar um remédio no fim do mês. É uma moeda que tem direcionamento, não pode ser gasta em qualquer coisa.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.