Assine Já
quinta, 06 de agosto de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
14ºmin
Mercado Tropical
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 4727 Óbitos: 275
Confirmados Óbitos
Araruama 816 49
Armação dos Búzios 357 9
Arraial do Cabo 120 12
Cabo Frio 1541 93
Iguaba Grande 334 23
São Pedro da Aldeia 740 39
Saquarema 819 50
Últimas notícias sobre a COVID-19
pezao

Visita de Pezão a Cabo Frio termina em protesto no Teatro Municipal

Manifestantes cobraram melhorias na educação; governador assinou convênio de liberação de R$ 78 milhões para obras em Cabo Frio

07 junho 2014 - 00h03Por Filipe Rangel
O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) visitou a Região dos Lagos ontem. Em Cabo Frio, assinou um convênio de R$ 78 milhões que serão aplicados em obras de reurbanização na periferia do município. Mas nem a boa notícia foi capaz de acalmar os ânimos de manifestantes que foram até o local gritar palavras de ordem contra o aliado do ex-governador e candidato ao Senado Sérgio Cabral (PMDB).
Os manifestantes ocuparam quase um terço do Teatro Municipal, onde foi celebrada a assinatura do convênio. A maioria era ligada ou ao Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe Lagos) ou ao Grêmio Síntese, agremiação estudantil do Instituto Federal Fluminense (IFF). Eles cobraram do governador melhoras na educação.
No palanque, antigos adversários que agora, segundo palavras dos próprios, “são aliados na busca por um estado melhor”. Além de Pezão, o prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa (PP), o de Búzios, André Granado (PSC), o deputado estadual Janio Mendes (PDT), o presidente da Alerj, Paulo Mello (PMDB), entre outros nomes da política estadual.
Os manifestantes esperaram o discurso de todos com adesivos alusivos à greve colados na boca. Em determinados momentos, taparam os ouvidos para não ouvirem as palavras do prefeito Alair Corrêa e do deputado Paulo Mello. O ápice da revolta ficou guardado para a fala de Pezão.
Assim que o governador pegou o microfone, os manifestantes entoaram palavras de ordem referentes à greve dos professores e pediram eleições diretas para diretores escolares. Constrangido, Pezão aumentou o volume da voz – que acompanhou uma generosa turbinada no sistema de áudio do teatro – e, em determinado momento, rebateu as vozes que protestavam: “Minha mãe me deu educação”.
A manifestação foi combatida o tempo inteiro por funcionários uniformizados de uma das secretarias do município, que foram conduzidos e buscados com transporte da prefeitura. O embate entre eles e os manifestantes continuou do lado de fora, com xingamentos e baixaria.