Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Vereadores derrubam vetos de Adriano e forçam promulgação

Prefeito vetou projetos relacionados à cultura e inclusão

30 março 2019 - 09h21
Vereadores derrubam vetos de Adriano e forçam promulgação

A Câmara Municipal de Cabo Frio ontem dois vetos do prefeito Adriano Moreno (Rede) a Projetos de Lei. Um deles, de autoria do vereador licenciado e atualmente secretário de Governo da Prefeitura, Miguel Alencar (PPS), que trata do reconhecimento da pintura de grafite como forma de expressão artística no município.

A Prefeitura alega, na justificativa do veto, vício de iniciativa e que “somente o Poder Executivo pode regular sobre conteúdos referentes à organização, ao funcionamento e à definição de atribuições em órgãos municipais”.

O segundo veto, derrubado também por unanimidade, foi ao projeto de autoria do vereador e presidente da Casa Legislativa, Luis Geraldo (PRB), que trata da obrigatoriedade da disciplina de Língua Brasileira de Sinais (Libras) a partir da Educação Infantil até o Ensino Fundamental, para crianças surdas e ouvintes matriculadas na rede pública de ensino do município de Cabo Frio.

A justificativa do prefeito para o veto foi de vício de iniciativa e de aumento de despesa no orçamento do município.  De acordo com o autor da matéria, a lei é fundamental para combater a exclusão da população surda da vida estudantil e visa reconhecer como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e outros recursos de expressão.

“É de grande importância para a população de Cabo Frio o ensino de Libras em todas as escolas, pois possibilitará uma maior comunicação entre todos os alunos da nossa rede pública de ensino, promovendo assim a inclusão social e colaborando para a conscientização de todos sobre a relevância da Língua Brasileira de Sinais para a nossa sociedade”, destacou Luis Geraldo.

Os projetos retornam para serem promulgados em até 48h pelo Executivo. Após este período, caso isso não ocorra, o Legislativo deverá fazer a promulgação, de acordo com a Lei Orgânica.