Assine Já
sexta, 23 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Vereadores de Cabo Frio se dividem entre apoio às medidas e preocupação

Cortes no governo são vistos com desconfiança

18 setembro 2015 - 10h07

RODRIGO BRANCO

 

Os cortes previstos para o or­çamento da União para o ano que vem, da ordem de R$ 26 bi­lhões, inclusive em investimen­tos e programas sociais como o ‘Minha Casa, Minha Vida’, além da perspectiva de aumento de impostos, têm tirado o sono de governadores, prefeitos e verea­dores Brasil afora e, naturalmen­te, em Cabo Frio não é diferente.

Ouvidos pela Folha, parla­mentares da cidade se dividiram entre a compreensão das medi­das, anunciadas no início da se­mana, e críticas à gestão da pre­sidente Dilma Rousseff (PT) e a equipe econômica e a preocu­pação quanto às consequências para região.

Para o presidente da Casa, Marcello Corrêa (PP), os ajustes ‘são necessários’. Ele acredita que a crise vai demorar a passar.

– Independentemente de ser Dilma ou outro presidente qual­quer, o importante é o Brasil sair dessa fase dificílima. Isso inter­fere em todos os Estados e cida­des, mas acho que aqui não vai interferir muito – disse ele, que não acredita em impeachment.

Crítico frequente do Gover­no Federal, Emanoel Fernandes (Pros) disse que antevia o maior impacto da crise em setembro.

– Governo não teve gestão, nem planejamento. Aplicou os recursos de maneira errônea e hoje o povo brasileiro está pa­gando um preço alto – dispara.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (18)