Assine Já
quarta, 08 de julho de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 261 601 41
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 959 61
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 17 500 18
Saquarema 7 518 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

​Vereadores de Cabo Frio questionam aditivo de R$ 27 milhões

Requerimento pede contratos firmados com a Córrego Rico

30 setembro 2015 - 11h21

Nicia Carvalho

Mais polêmicas envolvem a Prefeitura de Cabo Frio e desta vez a razão é o aditivo de R$ 27 milhões pagos a Córrego Rico Transporte e Construção Ltda. A veiculação do extrato no jornal que faz as publicações oficiais do governo municipal gerou uma onda de questionamentos nas redes sociais e motivou os ve­readores Aquiles Barreto (SD), Celso Campista (PSB) e Adria­no Moreno (PP) a colocarem, na sessão desta quinta (1), requerimen­to solicitando detalhes sobre os contratos com a empresa: tando dos R$ 34 milhões que já foram pagos, quanto do aditivo.

– Vamos preparar nesta terça (29) e além do detalhamento, vou questionar a proximidade da empresa com o governo, as­sim como a data de existência porque ela foi criada em 2005, quando Alair ainda era prefeito. Serviu à prefeitura até 2008 e retorna quando ele volta a ocu­par a cadeira do Executivo. É, no mínimo, estranho – analisou Aquiles, que aposta numa vota­ção favorável dos pares da Casa.

    

Segundo ele, o requerimento poderá ser encaminhado à se­cretaria de Administração e/ou à de Fazenda. Caso vereadores encontrem alguma irregularida­de a empresa poderá ser ouvida e até mesmo um CPI poderá ser instaurada. Nesta terça-feira (29), ao fim da sessão, à exceção dos três pro­ponentes do requerimento, os vereadores da base aliada se reu­niram para discutir que estraté­gias adotar caso o requerimento seja apresentado.

– As pessoas me perguntam na rua como vamos pagar isto. Não temos remédio, exame de sangue não pode ser feito porque a prefeitura não pagou R$ 25 mil para o laboratório. Na UPA não tinha material para coleta de exame – enumerou Campista. Já o vereador Adriano questionou a falta de verbas para manuten­ção de programas sociais, como o Cartão Dignidade, que corre o risco de ser extinto.

– Não podemos ter dois pe­sos e duas medidas. Foi uma dificuldade liberar a subvenção de R$ 51 mil para atletas repre­sentarem Cabo Frio, mas temos dinheiro para isso? – interrogou.