Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8374 Óbitos: 431
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

​Vereadores de Cabo Frio questionam aditivo de R$ 27 milhões

Requerimento pede contratos firmados com a Córrego Rico

30 setembro 2015 - 11h21

Nicia Carvalho

Mais polêmicas envolvem a Prefeitura de Cabo Frio e desta vez a razão é o aditivo de R$ 27 milhões pagos a Córrego Rico Transporte e Construção Ltda. A veiculação do extrato no jornal que faz as publicações oficiais do governo municipal gerou uma onda de questionamentos nas redes sociais e motivou os ve­readores Aquiles Barreto (SD), Celso Campista (PSB) e Adria­no Moreno (PP) a colocarem, na sessão desta quinta (1), requerimen­to solicitando detalhes sobre os contratos com a empresa: tando dos R$ 34 milhões que já foram pagos, quanto do aditivo.

– Vamos preparar nesta terça (29) e além do detalhamento, vou questionar a proximidade da empresa com o governo, as­sim como a data de existência porque ela foi criada em 2005, quando Alair ainda era prefeito. Serviu à prefeitura até 2008 e retorna quando ele volta a ocu­par a cadeira do Executivo. É, no mínimo, estranho – analisou Aquiles, que aposta numa vota­ção favorável dos pares da Casa.

    

Segundo ele, o requerimento poderá ser encaminhado à se­cretaria de Administração e/ou à de Fazenda. Caso vereadores encontrem alguma irregularida­de a empresa poderá ser ouvida e até mesmo um CPI poderá ser instaurada. Nesta terça-feira (29), ao fim da sessão, à exceção dos três pro­ponentes do requerimento, os vereadores da base aliada se reu­niram para discutir que estraté­gias adotar caso o requerimento seja apresentado.

– As pessoas me perguntam na rua como vamos pagar isto. Não temos remédio, exame de sangue não pode ser feito porque a prefeitura não pagou R$ 25 mil para o laboratório. Na UPA não tinha material para coleta de exame – enumerou Campista. Já o vereador Adriano questionou a falta de verbas para manuten­ção de programas sociais, como o Cartão Dignidade, que corre o risco de ser extinto.

– Não podemos ter dois pe­sos e duas medidas. Foi uma dificuldade liberar a subvenção de R$ 51 mil para atletas repre­sentarem Cabo Frio, mas temos dinheiro para isso? – interrogou.