Assine Já
domingo, 05 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53720 Óbitos: 2188
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6584 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15618 902
Iguaba Grande 5572 147
São Pedro da Aldeia 7051 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Vereadora de Búzios tenta entrar em posto de saúde, guarda impede e vídeo viraliza

Em nota, prefeitura negou ter acontecido agressão e defendeu a postura do guarda  

04 abril 2019 - 09h29
Vereadora de Búzios tenta entrar em posto de saúde, guarda impede e vídeo viraliza

Ganhou repercussão nas redes sociais um vídeo em que a vereadora Gladys Nunes (PRB), de Búzios, tenta entrar no Posto de Saúde da Rasa e é impedida por um agente da Guarda Municipal. Gladys disse ter sido agredida. A Prefeitura de Búzios negou ter havido agressão e defendeu a postura do guarda. O vídeo foi feito em uma transmissão ao vivo no Facebook na noite de domingo, e os internautas que estavam assistindo viram o tumulto instantaneamente. 

O vídeo feito na noite de domingo (31), por volta das 21h, começa com Gladys dizendo ter sido procurada na igreja por um homem chamado Caio, que também aparece. Ele relatou que a mulher estava passando mal e foi levada para o Posto de Saúde da Rasa, mas o local estaria sem médico atendendo na hora em que ele chegou. Gladys vai explicando a situação até tentar entrar no posto, quando começa a confusão.

– Eu estava na igreja quando chegou o Caio com sua esposa muito gelada, passando mal. Estamos aqui no PU da Rasa. Não estamos culpando médico nenhum porque todo médico tem o direito de jantar. Mas só tem um médico e um técnico de enfermagem. Os dois estavam jantando. Ela estava aqui passando mal. Estamos aqui e não tem médico no PU da Rasa. Disseram pra ele (Caio) que o médico ia chegar às 22h. Tem a ambulância ali. Se alguém chegar aqui com uma parada cardíaca, morre – disse a vereadora, no momento em que tentou entrar no Posto de Saúde e foi impedida pelo guarda.

Por meio de nota, a Prefeitura de Búzios disse que “o atendimento nas unidades de urgência passa por uma classificação de risco que é executado por profissionais de saúde, com o intuito de fazer uma avaliação prévia para definir as condições que se encontra o paciente, a fim de dar prioridade aos casos que exijam uma intervenção mais imediata. No domingo dia 31 de março, a vereadora do Gladys acompanhada de seu marido o policial civil Evandro (conforme ela o convocou por várias vezes, estando registrado na gravação realizada por ela) tentaram coagir e intimidar os profissionais de saúde do Posto de urgência da Rasa, tentando interferir nas condutas técnicas que por sua vez seguem protocolos, pois queria impor que a pessoa a qual acompanhavam passasse à frente das demais, sem passar pela classificação de risco, se prevalecendo de sua função para dar privilégios a uns em prejuízo a outros, o que foi impedido de maneira profissional pelo guarda municipal que estava no exercício de sua função que é de proteger e garantir o bom andamento dos serviços.

Segue a nota: “Como a vereadora não estava autorizada a entrar, pois não iria contribuir no atendimento médico que estava sendo realizado, considerou desacato, e convocou a polícia, que conduziu os funcionários até a delegacia, trazendo enorme prejuízo ao atendimento à população, que estava aguardando o chamado, seguindo os critérios técnicos. Portanto, esta conduta gera estresse no ambiente do atendimento, o que pode comprometer a qualidade da atenção, porque o profissional se sente ameaçado”. 

Disse ainda a nota que “a prefeitura vem sempre buscando melhorar o atendimento à população com qualificação dos seus profissionais, e inclusive está ampliando esta unidade onde também irá ser instalado um serviço de raios-X, trazendo mais conforto à população, mas enfatizamos que esse tipo de conduta da vereadora somente prejudica, não acrescenta benefícios e não traz melhorias. Pelo contrário: prejudica o ambiente de saúde”. 
“Aproveitamos para deixar registrado que o posto de urgência da Rasa foi reativado a partir de 2013(nesta gestão), pois havia sido desativado no período entre 2009 a 2012 (gestão anterior), ou seja, a população da Rasa e em torno havia ficado completamente desassistida, período este que o policial civil Evandro esposo da vereadora Gladys que a acompanhava neste lamentável episódio era vereador. Portanto nos colocamos à disposição para esclarecer e responder a quaisquer dúvidas que possam porventura ainda existir”, finaliza a nota da prefeitura .