Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
vereadora

Vereadora de Búzios e comunidade LGBT entram em rota de colisão por causa de lei

Projeto sobre material didático nas unidades municipais gera polêmica

24 outubro 2017 - 10h58Por Rodrigo Branco
Vereadora de Búzios e comunidade LGBT entram em rota de colisão por causa de lei

A comunidade LGBT de Búzios acaba de eleger sua ‘inimiga pública número um”: a vereadora Joice Costa (PP). A parlamentar da base governista acaba de emplacar uma lei que prevê punições para escolas e profissionais da rede pública que disseminarem conteúdos considerados ‘pornográficos’ para os estudantes.
No entanto, o estopim para a desavença foi um discurso feito por Joice no plenário da Câmara na última quinta para justificar a iniciativa. Da tribuna, a vereadora criticou o termo ‘ideologia de gênero’ e falou sobre conceitos ‘empurrados goela abaixo pela mídia’. 
O vídeo da fala da parlamentar viralizou nas redes sociais e gerou forte reação. O presidente do grupo Freedom Búzios, Fernando Bertozzi, o ‘Hector Fly’, disse que a entidade decide hoje qual providência será tomada quanto ao posicionamento da vereadora. A princípio, um ato de membros do segmento LGBT está marcado para a sessão desta quinta-feira.
– É um assunto muito delicado, temos que estar preparados. Os conservadores estão muito organizados. Até mais do que a gente. Somos a minoria. Por isso temos que buscar estratégias firmes – disse Hector, que chamou o discurso de ‘alienado’.
Questionada, a vereadora defendeu-se das acusações. Ela, que é evangélica, negou que a atitude de apresentar o projeto de lei e o seu discurso tiveram motivação religiosa ou homofóbica. Segundo Joice, a nova legislação retira da escola o que chamou de ‘sobrecarga’ no que diz respeito à educação moral dos alunos. 
– Quero ajudar a comunidade escolar, que está sobrecarregada. Como mãe, quero ter responsabilidade de educar minha filha e não passá-la para a escola – alega.
A vereadora complementou dizendo que trabalha há pelo menos dois anos em projetos contra exploração social e pedofilia. Ela disse o que entende por pornografia na escola. 
– Sempre estudei e aprendi o que é aparelho reprodutor, ovário e clitóris. Isso não é pornográfico. Agora passar um vídeo com bonecos representando o Kama Sutra, é necessário? – questiona a vereadora, que pretende apresentar um projeto de lei sobre a ‘Escola sem Partido’.

 

 

* Confira matéria completa na edição desta terça (24) da Folha dos Lagos.