Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Campista

Vereador se irrita com novo veto a projeto de lei

Celso Campista diz que parecer contrário do CCJ ao texto que proíbe prefeitura de alugar imóveis particulares era 'esperado'

06 maio 2016 - 12h42Por Rodrigo Branco
Vereador se irrita com novo veto a projeto de lei

Virou rotina. A cada veto do prefeito Alair Corrêa (PP) ou mesmo parecer contrário de alguma comissão da Câmara de Cabo Frio, o vereador Celso Campista (PDT) reclama e fala cobras e lagartos na tribuna.

Desta vez, o motivo da queixa se refere à negativa da Comissão de Constituição e Justiça em levar adiante o projeto de lei nº 167/2015, que proíbe a prefeitura de alugar imóveis particulares para o funcionamento de repartições públicas municipais. Apesar de se dizer irritado, o parlamentar de Tamoios disse que não se surpreendeu com a decisão. Para ele, não faz sentido usar imóveis de terceiros, enquanto há outros, de propriedade da prefeitura, hoje em estado de deterioração, mas que poderiam ser reformados e ocupados.

– Eu não fiquei surpreso, pra mim já era esperado. Porque quem faz isso não tem compromisso com o povo de Cabo Frio. Qual o sentido de você alugar um imóvel com preço altíssimo, enquanto você tem um ginásio como o de Tamoios, que agora está caindo aos pedaços, mas tem salas que poderiam ser usadas? – questiona Campista.

O texto original pode não ter passado, mas o projeto ainda pode ser levado adiante, pois receberá as vistas de Vinícius Corrêa (PP), membro do CCJ. Ele negou que vá enviar o projeto para a gaveta, como espera Campista.

– De forma nenhuma. Só retirei (o projeto) para não provocar um caos em um momento de crise como esse. Imagina, por exemplo, o caso do posto de Unamar, que atende milhares de pessoas. Pelo texto da lei, quando o contrato de locação terminasse não poderia mais ser renovado, interrompendo o serviço. Só queremos fazer ajustes e analisar caso a caso – diz.

Agora, Vinícius tem 15 dias para concluir o processo de vistas.