Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Rafael Peçanha

Vereador diz já ter assinaturas suficientes para pedir abertura de CPI da Educação

Rafael Peçanha (PDT) vai protocolar pedido na volta do recesso da Câmara

28 julho 2017 - 10h29Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Vereador diz já ter assinaturas suficientes para pedir abertura de CPI da Educação

A Câmara de Cabo Frio ficou em recesso nas últimas semanas, mas nem por isso as articulações de bastidores deixaram de acontecer. Conforme a Folha adiantou na semana passada, o vereador Rafael Peçanha (PDT) vai protocolar um pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o uso indevido de quase R$ 52 milhões em verbas federais da Educação na última gestão do ex-prefeito Alair Corrêa, entre 2013 e 2016. Peçanha afirmou ontem que já tem o número suficiente de assinaturas (seis, incluindo a dele) para dar entrada no pedido.

– Fui atrás de alguns vereadores e vereadoras que encontrei e pedi a eles. Como já tive a confirmação, não corri atrás dos outros. Pode ser que mais vereadores assinem, não tem um limite máximo. Acredito que seja uma questão que una a Casa – acredita o parlamentar.

A expectativa de Peçanha encontra eco no comportamento dos colegas. Segundo a reportagem apurou, tanto a bancada do governo como a da oposição fecham questão sobre o assunto. Para se ter uma ideia, a base aliada do prefeito Marquinho Mendes (PMDB) tem 13 vereadores. Entre os oposicionistas, apenas Vinícius Corrêa (PP), sobrinho de Alair, aparentemente vai se opor à iniciativa.

O valor do desvio na Educação foi apurado em uma tomada de contas feita nos últimos meses pela equipe da atual responsável pela pasta, Laura Barreto. O caso já foi passado para a Controladoria-Geral do Município e para a Procuradoria, que o entregará aos órgãos de controle e fiscalização, como o Ministério Público e os Tribunais de Conta do Estado e da União. Apesar disso, o Legislativo municipal também pode investigar as irregularidades e definir as responsabilidades por elas. Peçanha acredita que 30 dias seja o tempo necessário para a conclusão dos trabalhos. “As evidências são muito grandes”, declarou recentemente.

Entre as verbas que tiveram a finalidade desvirtuada estão o salário-Educação; Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e as do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).