Assine Já
terça, 26 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22503 Óbitos: 742
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2960 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6068 247
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
julgamento

TSE julga recurso de Andinho nesta terça-feira (16)

Julgamento do prefeito de Arraial do Cabo está marcado para às 18h

16 agosto 2016 - 09h41Por Rodrigo Branco
TSE julga recurso de Andinho nesta terça-feira (16)

O prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, (PMDB) tem hoje, a partir das 18h, o que pode ser vista como praticamente a última chance de se manter no cargo. No início da noite, às 18h, a ministra Luciana Lóssio do Tribunal Superior Eleitoral julgará o recurso impetrado pela defesa contra a decisão de primeira instância que condenou o prefeito e o vice-prefeito Reginaldo Mendes (PT) a saírem dos respectivos cargos, deixando-os inelegíveis por oito anos.
Atualmente de lados opostos no campo político, Andinho e Reginaldo formaram chapa há quatro anos. Ambos foram condenados pela juíza Juliana Gonçalves Pontes, da 146ª Zona Eleitoral, em julho de 2014, por abuso de poder político e eleitoral em função de um evento realizado a 15 dias das eleições de 2012, durante o qual foram entregues certidões de propriedade e carnês de IPTU a moradores de distritos e bairros carentes do município.
Segundo a magistrada, a prática se configurou como uso da máquina administrativa para a captação ilícita de votos. ao entregar certidões e carnês de IPTU a moradores de bairros carentes.
De acordo com a juíza Juliana Figueira, o então candidato à reeleição induziu os eleitores a acreditarem na regularização dos terrenos e os incentivou a permanecer em área de proteção ambiental, de onde poderiam ser retirados a qualquer momento.
 Desde então, o processo vinha se arrastando na Justiça, em meio a embargos e liminares que mantêm a dupla no poder. No entanto, se o agravo de instrumento da defesa for negado, não há mais chance de recurso.
Caso a cassação de Andinho e Reginaldo sejam confirmadas,  outro representante teria que ser escolhido para governar a cidade durante um mandato tampão até 31 de dezembro. Isso porque o presidente da Câmara  Municipal e substituto constitucional, vereador Luciano Tequinho (PPS) não poderia assumir o cargo por ser candidato à reeleição. 

Os autores da ação que pode resultar no afastamento definitivo de Andinho e Reginaldo foram os então candidatos a prefeito e vice-prefeita de Arraial pelo PDT, Henrique Sérgio Melman e Cláudia Figueira de Souza Pinheiro, que compunham a chapa majoritária da Coligação Arraial para Todos.
Procurados pela reportagem, Andinho e sua assessoria afirmaram que se informariam do assunto, mas não retornaram até o fechamento desta edição.