Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
​Texto com orçamento é republicado com erros

​Texto com orçamento é republicado com erros

Alteração do percentual de suplementação gera polêmica

12 fevereiro 2016 - 09h56
​Texto com orçamento é republicado com erros

A Prefeitura de Cabo Frio republicou o orçamento para 2016, mas novamente com erros. Depois de deixar de fora as emendas aprovadas pela Câmara, agora o documento tem discordância sobre a alíquota de suplementação orçamentária – ou seja, o montante de dinheiro que fica livre para o prefeito empregar onde quiser, sem destino pré-definido. A polêmica foi assunto da reunião entre os vereadores e o procurador do município, Rosival Campos, na manhã de ontem, na Câmara, que aconteceu no lugar da sessão. A Casa diminuiu o índice de 30% para 10%, mas a Prefeitura publicou orçamento com percentual de até 50% na edição dos dias 6 e 7 do Diário Oficial do Município.

– O procurador se comprometeu a mandar amanhã (hoje) mensagem de lei alterando a suplementação de 50% para 10%. Creio que, se não fizer, dificulta a harmonia entre os poderes. Na próxima terça já poderemos votar para alterar o orçamento novamente – afirmou Aquiles Barreto (SD), ao fim da reunião.

Luis Geraldo (PPS) disse “não entender” o porquê de uma segunda publicação em desacordo com o que foi apreciado antes pela Câmara.

– Houve falha da Câmara, já que no orçamento votado deveriam constar as emendas em redação definitiva e foi enviado para a Prefeitura como anexo. Deveria devolver, não promulgar. O que não bateu é que o orçamento foi enviado dia 13 de janeiro e, no dia seguinte, foi promulgado. Não teve avaliação das emendas, ou do orçamento todo. A gente não está entendendo isso – questionou o vereador, insatisfeito.

Rosival Campos defende o lado da Prefeitura. Ele afirma que a mensagem com a alteração da Lei Orgânica feita pela Câmara não chegou até a Prefeitura e que, por este motivo, o prefeito publicou o orçamento com percentual diferente para suplementação. Ainda assim, ele concordou em realizar a correção.

– Foi uma reunião muito proveitosa. Vamos enviar projeto de lei à Câmara para que se reduza o percentual a 10%, adequando ao que prevê a Lei Orgânica, valendo já para este ano. Se depender de mim, chega amanhã (hoje). O orçamento pode ser alterado durante todo o exercício, sem problema. A Prefeitura não teve o jornal em mão e não tinha conhecimento da redução do percentual da suplementação – afirmou.
Celso Campista (PSB) alegou que a Câmara foi novamente desrespeitada no processo e defendeu a anulação do orçamento.

– O orçamento deveria ser anulado porque o prefeito já demonstrou que não tem capacidade administrativa e financeira, além de atropelar o Legislativo, como já falei várias vezes da tribuna. Sou a favor de que o prefeito trabalhe com o orçamento do ano passado. A lei prevê isso. Como pode essa trapalhada? Isso é um absurdo. Provou que não tem competência – disparou.

Mais votações – Se tudo correr como acordado na reunião, além da suplementação, a Câmara também irá avaliar, na terça, se derruba ou mantém o veto do prefeito às emendas ao orçamento e o veto ao percentual de empréstimo sem autorização da Casa, fixado em 20%.

Segundo o procurador, o Executivo vetou as emendas alegando inconstitucionalidade, já que as proposições não foram feitas no período de elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que acabou em abril passado.

– A LDO chegou no prazo e foi votada pela Câmara no prazo legal. As alterações da metas fiscais devem ser feitas na LDO – afirmou.
Campista, por sua vez, rebateu a afirmação de que a LDO tenha chegado no prazo correto.

– Levei emendas corretas, com as fontes dos recursos, mas elas não entraram. Perderam o prazo da LDO, reabriram e tentei de novo, sem a fonte, sabendo que a Comissão de Finanças daria parecer contrário. Mas deram só com duas e não com quatro, como manda o regimento. A Comissão foi criminosa – disparou o vereador, revoltado.