Assine Já
quinta, 02 de julho de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 319 Confirmados: 2909 Óbitos: 177
Suspeitos: 319 Confirmados: 2909 Óbitos: 177
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 268 582 40
Armação dos Búzios X 243 5
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 903 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 18 435 15
Saquarema 9 466 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Tequinho quer cortar salários

Prefeito envia projeto à Câmara para tirar 20% do primeiro escalão

24 outubro 2016 - 18h48Por Redação I Foto: Reprodução
Tequinho quer cortar salários

O prefeito interino de Arraial do Cabo, Luciano Farias Aguiar, o Luciano Tequinho (PPS) enviou para a Câmara Municipal em regime de urgência uma mensagem para que a Câmara vote hoje a redução de 20% dos salários dele próprio, do vice – cargo que no momento está vago – dos secretários e servidores comissionados. Se a mensagem for aprovada, a medida já entra em vigor de imediato, incidindo sobre os salários de outubro.


A iniciativa do governo faz parte de um pacote de medidas que estão sendo tomadas no fim do ano com o objetivo de reduzir os gastos municipais, sobretudo com a folha salarial, adequando-a ao limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 54% das despesas.


Para tanto, além do ‘corte na própria carne’, o governo vem realizando uma série de exonerações, de contratados e comissionados, com o objetivo de enxugar a folha entre R$ 500 mil e R$ 700 mil. A ideia é abrir também espaço para os aprovados no último concurso público, realizado entre o fim do ano passado e o começo deste ano. A primeira convocação, inclusive, já foi realizada na semana passada. A primeira turma de novos guardas municipais também foi iniciada ontem.


A  Folha entrou em contato com o prefeito interino, mas ele não atendeu as ligações da reportagem. Já a Prefeitura disse que as informações sobre o projeto deveriam ser pedidas para a Câmara. Uma funcionária da assessoria do Legislativo, contudo, não soube informar do que se tratava.


Inchaço negado – Em entrevista publicada na semana passada, o secretário municipal de Administração, Marcelo Mendonça afirmou que não considera que a máquina pública estivesse inchada e defendeu a necessidade do antigo número de funcionários. Ele também disse que as demissões não acontecem por ‘perseguição’, uma vez que o candidato do governo, Tê (PMDB) perdeu a eleição.