Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Tequinho quer cortar salários

Prefeito envia projeto à Câmara para tirar 20% do primeiro escalão

24 outubro 2016 - 18h48Por Redação I Foto: Reprodução
Tequinho quer cortar salários

O prefeito interino de Arraial do Cabo, Luciano Farias Aguiar, o Luciano Tequinho (PPS) enviou para a Câmara Municipal em regime de urgência uma mensagem para que a Câmara vote hoje a redução de 20% dos salários dele próprio, do vice – cargo que no momento está vago – dos secretários e servidores comissionados. Se a mensagem for aprovada, a medida já entra em vigor de imediato, incidindo sobre os salários de outubro.


A iniciativa do governo faz parte de um pacote de medidas que estão sendo tomadas no fim do ano com o objetivo de reduzir os gastos municipais, sobretudo com a folha salarial, adequando-a ao limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 54% das despesas.


Para tanto, além do ‘corte na própria carne’, o governo vem realizando uma série de exonerações, de contratados e comissionados, com o objetivo de enxugar a folha entre R$ 500 mil e R$ 700 mil. A ideia é abrir também espaço para os aprovados no último concurso público, realizado entre o fim do ano passado e o começo deste ano. A primeira convocação, inclusive, já foi realizada na semana passada. A primeira turma de novos guardas municipais também foi iniciada ontem.


A  Folha entrou em contato com o prefeito interino, mas ele não atendeu as ligações da reportagem. Já a Prefeitura disse que as informações sobre o projeto deveriam ser pedidas para a Câmara. Uma funcionária da assessoria do Legislativo, contudo, não soube informar do que se tratava.


Inchaço negado – Em entrevista publicada na semana passada, o secretário municipal de Administração, Marcelo Mendonça afirmou que não considera que a máquina pública estivesse inchada e defendeu a necessidade do antigo número de funcionários. Ele também disse que as demissões não acontecem por ‘perseguição’, uma vez que o candidato do governo, Tê (PMDB) perdeu a eleição.