Assine Já
sexta, 22 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
tce

TCE aprova contas de Arraial com ressalva

Tribunal alerta para déficit de mais de R$ 23 milhões no balanço financeiro de 2014

19 novembro 2015 - 10h08

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro aprovou, com ressalvas, as contas de Arraial do Cabo referentes ao ano de 2014. Além de emitir o parecer prévio, o TCE-RJ alertou o prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho (PMDB), para que, até o fim do seu mandato, tome medidas que equilibrem as finanças do município, que teve no ano passado um déficit de R$ 23.708.582,18.

O voto favorável para a aprovação das contas foi dado pela conselheira-relatora, Marianna Willeman. O parecer agora segue para a Câmara de Vereadores, responsável pelo julgamento das contas do prefeito. Com ampla maioria na Casa Legislativa – apenas dois dos nove vereadores são considerados de oposição – o governo não deve ter dificuldades para aprovar o documento.

Segundo o relatório do Tribunal, em 2014, Arraial do Cabo manteve seus gastos com a folha de pagamento dentro do limite previsto pela Lei de Responsa- bilidade Fiscal (LRF), que é de 54% da Receita Corrente Líquida (RCL). No primeiro quadrimestre do ano passado, a prefeitura gastou R$ 60.184.060,30, o que equivale a 51,40% da RCL; já nos quatro meses seguintes, foram gastos R$ 58.819.135,30 (49,22%) e, no último quadrimes- tre, R$ 60.645.216,50 (48,43%).

Já na área de Educação , de acordo com o TCE-RJ, Arraial investiu R$ 13.100.096,68 na Educação Básica. O valor corresponde a 25,80% da receita de impostos e transferências de impostos (R$ 50.781.709,40). Nesse quesito, a prefeitura cumpriu a legislação raspando, pois pela Constituição Federal, o município deve aplicar, no mínimo, 25% dessas receitas na manutenção e desenvolvimento do ensino.

Com relação à verba do Fundeb, o município usou R$ 9.786.098,75(71,51%) dos recursos do Fundo na remuneração dos profissionais do magistério da Educação Básica. O percentual superou os 60% exigidos pela legislação em vigor.

Por fim, na Saúde, foram aplicados R$ 19.458.806,72 com o setor em 2014, o que representou 38,76% da receita de impostos e transferências, que foi de R$ 50.199.762,23, já descontada a parcela do Fundo de Participação dos Municípios.

Com dificuldades para manter o caixa equilibrado desde que as cotas dos royalties do petróleo minguaram, a prefeitura ensaiou uma reforma administrativa no início do ano, mas recuou. Apesar disso, os salários dos servidores estão em dia.