Assine Já
segunda, 25 de outubro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
BÚZIOS

TCE aprova contas de André Granado e Henrique Gomes em 2018

Parecer tem 25 ressalvas e também será votado na Câmara Municipal

15 janeiro 2020 - 20h58Por Tomás Baggio

As contas do prefeito de Búzios, André Granado, e do vice-prefeito, Henrique Gomes, referentes ao ano de 2018 foram aprovadas ontem pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ). Na votação, a relatora, Andrea Siqueira, enumerou 25 ressalvas, mas defendeu a aprovação do documento.

Após a aprovação, o documento segue para a Câmara Municipal, onde terá que ser analisado e votado pelos vereadores. A rejeição de contas na Câmara pode gerar até oito anos de inelegibilidade aos gestores públicos.

As contas de 2018 estiveram sobre a responsabilidade do prefeito e do vice em virtude das sucessivas trocas de comando no Executivo Municipal, que começaram em 2018 e seguiram pelo ano passado, após seguidas decisões judiciais de afastamento e retorno do prefeito ao cargo.

André Granado retornou ao cargo de prefeito no último dia 13 de novembro, após dez afastamentos e consequentes entradas do vice, Henrique Gomes, no comando do Executivo.  

As sucessivas trocas no comando da Prefeitura durante o ano evidenciaram o racha entre o prefeito e o vice. A cada mudança no comando, grande parte do secretariado e do funcionalismo em geral era trocado. A cidade paralisou. Perguntado em entrevista no dia 5 de dezembro se considera Henrique Gomes como um adversário político, Granado afirmou que não, mas aproveitou para alfinetar o vice.

– Não sou adversário, até porque não sou candidato a nada. Considero ele uma pessoa que poderia ter sido o sucessor, se tivesse mais sabedoria, mais maturidade e aguardasse o tempo. Infelizmente, isso não ocorreu, e distanciou a possibilidade de tê-lo como o nome do nosso governo para a sucessão – afirmou André, completando:

– O vice-prefeito é eleito junto com o prefeito. Ele tem um compromisso com a população. Passei isso para ele no meu primeiro afastamento. Quando voltei (ao comando da Prefeitura), o convidei várias vezes para vir aqui na Prefeitura, mas ele se recusou. Tivemos um encontro fora da Prefeitura, no hotel Colonna Park. Buscamos o entendimento e, logo em seguida, a gente se surpreendeu com a abertura de um processo contra mim por parte dele, e aí veio outro afastamento. Ou seja, existe uma dificuldade (de relacionamento) que poderá ser superada dependendo do interesse do vice-prefeito de voltar a dialogar. Temos o compromisso com a população firmado nas eleições de 2016 – acrescentou Granado.

Sobre o juiz da Comarca de Búzios, Raphael Badinni, que André disse se achar perseguido em entrevistas anteriores por causa das ordens de afastamento, o prefeito, desta vez, preferiu não polemizar. Disse que o juiz “tem o direito e a obrigação de dar a decisão dele, e eu tenho o direito e a obrigação de recorrer”.

– O que eu questiono é o fato de um dos meus afastamentos ter sido por causa de uma perda de prazo processual. Quer dizer, você perde um prazo e cassa o mandato de um prefeito eleito pela população? Isso deveria ser questionado, debatido. É uma decisão muito grave para ser tomada por causa de uma perda de prazo. Mas eu não quero dizer que me sinto injustiçado, é uma palavra muito forte. O juiz tem o direito e a obrigação de dar a decisão dele, e eu tenho o direito e a obrigação de recorrer – afirmou, sem garantir que conseguirá seguir no cargo até o fim do mandato.

– Todo prefeito está sujeito a uma decisão de afastamento a qualquer momento.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.