Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Silas Bento

Silas Bento afirma que Estado está 'uma grande bagunça'

Deputado estadual do PSDB defende saída do governador Pezão

08 julho 2017 - 21h11Por Moacir Cabral | Foto: Arquivo Folha
Silas Bento afirma que Estado está 'uma grande bagunça'

“O Estado do Rio está uma bagunça”, disse em entrevista à Folha dos Lagos o deputado estadual Silas Bento (PSDB). Disse mais ainda: “É preciso criar mecanismos para estancar a corrupção”. A entrevista:

Folha - Qual é a saída para amenizar a crise no governo do Estado?

Silas Bento - Tenho lutado na Alerj para que o governo melhore sua arrecadação da Dívida Ativa. Que efetivamente cobre quem está devendo ao Estado. O primeiro passo é arrecadar dinheiro para equilibrar as contas e, principalmente, pagar os servidores. Os salários são a prioridade, é a vida das pessoas que está em jogo. Depois, e nesse sentido a bancada do PSDB já está agindo junto à presidência da Casa, temos que resolver a situação do Pezão. Não tem mais governabilidade. O Estado está uma bagunça muito grande, é preciso dar uma oxigenada, mudar de ares e buscar uma solução. É claro que o Pezão saindo, tudo muda da água pro vinho. Mas temos que fazer uma mudança, responsabilizar os culpados pela crise e, principalmente, criar mecanismos para estancar a corrupção, para que uma situação calamitosa como essa não volte a acontecer.

Folha - Você acredita que a situação possa se reverter a curto prazo?

Silas - Eu estaria mentindo se dissesse que sim. A crise é muito grave. Muito mesmo. Vai levar tempo. O que podemos fazer a curto prazo, e acho que essa tem que ser a prioridade do governo, é resolver a situação do servidor.

Folha - O presidente da Alerj, Jorge Picciani, fala em impeachment e intervenção...

Silas - A situação está insustentável. O meu partido, o PSDB, entende que é o melhor caminho. Eu entendo que a mudança não pode ficar aí. Não podemos só tirar o Pezão e botar outro cacique qualquer e continuar com as mesmas práticas. O Pezão vai sair? Não sei, pode ser que sim, a aprovação é muito baixa e não há mais sustentação política. Mas a mudança tem que ir além.

Folha- Você acredita que saia o tal pacote de bondade do governo federal?

Silas - Acredito que sim. É uma promessa, tem que ser cumprida. O que estamos trabalhando é para que esse dinheiro chegue aos cofres do Rio de Janeiro o mais rápido possível e vamos fiscalizar o uso desse dinheiro.

Folha - O PSDB pensa em candidatura própria à sucessao de Pezão?

Silas - No momento, o objetivo do PSDB é ajudar a recuperar o Estado do Rio de Janeiro. Temos que abdicar, nesse momento, dos acordos e das campanhas, para resolver essa situação calamitosa.