Assine Já
sexta, 27 de novembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Silas Bento

Silas Bento: ‘Nunca mais quero ser vice’

Deputado critica gestão de Alair: “Nunca vi nada igual na minha vida”

31 outubro 2016 - 20h27Por Texto e foto: Fernanda Carriço
Silas Bento: ‘Nunca mais quero ser vice’

Depois de amargar quase quatro anos em um cargo que não lhe deu visibilidade ou oportunidade de ação, o vice-prefeito Silas Bento (PSDB), ocupa, a partir de janeiro, uma cadeira na Assembléia Legislativa do Estado do Rio. Silas entra na vaga deixada por José Luiz Nanci (PPS), eleito neste domingo prefeito de São Gonçalo. Em entrevista à Folha, Silas afirma que lutará para trazer recursos para ajudar Cabo Frio a sair da crise e afirma que não se sente responsável pelo caos da administração de Alair, pois nunca teve voz ou cargo na prefeitura. “Nunca mais na minha vida quero ser vice”, desabafa.

Folha dos Lagos – Quais vão ser suas prioridades na Alerj?

 Silas Bento – Vou tentar trabalhar pra que Cabo Frio tenha recursos para colocar a folha de pagamento em dia, volte a fazer obras, que a Saúde volte a funcionar, a Educação... Nós temos que lutar com o Governo do Estado, nos unir urgentemente com os deputados do Rio para irmos a Brasília lutar para equacionar o problema que está fazendo a população sofrer. Reduzir o impacto da crise é nossa prioridade.  Seja quem for que vá tomar posse, Marquinho ou Adriano, Cabo Frio está numa situação difícil para ser administrada.

Folha – Você já conversou com Marquinho, por exemplo?

Silas – Ainda não. Estou esperando a decisão da Justiça para saber de fato quem será o prefeito. Mas seja quem for, estou à disposição, não sou a favor nem de um nem de outro, sou a favor do povo da minha terra.

Folha – Como está sua relação com Alair? Na última entrevista à Folha você se queixou da falta de diálogo e espaço...

Silas – Essa foi uma decisão de Alair, do modelo político dele de não ser uma pessoa que mantém o dialogo com o vice, com os companheiros. Mas não estamos em guerra. Só que, para falar com ele, preciso marcar audiência. Eu não consigo falar com Alair a hora que quero. Tem uns 30 dias que não falo com ele. Eu tenho que marcar. Não tenho acesso direto.

Folha – Você não tem função nesse governo, certo?

Silas – Não. Nunca tive função. Nunca peguei uma secretaria. Sempre fui um cargo de expectativa, de reserva. Eu lutei para não brigar. Se eu brigasse seria pior para o povo, porque ficaria um de cada lado...

Folha – Mas você não acha que o povo já está numa situação bem complicada? É um final de governo caótico e você está lá como vice...

Silas – O governo com certeza termina numa situação das mais complicadas dos últimos tempos. Eu tenho 24 anos de vida pública e com esse mandato agora vou completar 26 anos. Eu nunca vi nada igual na minha vida. Nunca vi um momento da administração pública estar tão derrotada, levando prejuízo direto aos funcionários públicos, para a população. Nunca vi isso na minha vida. Mas agora temos que saber que a culpa não é só do Alair. Tem todo um contexto. Eu acho que o modelo de gestão dele não se enquadra mais na realidade, não se enquadra mais no cenário político, pela mudança da cabeça do povo. Esse modelo não é o que o povo quer.

Folha – Acha que houve desperdício de dinheiro público?

Silas – Eu não sei se houve desperdício, mas a gestão não foi eficiente, porque se fosse equilibrava as receitas, despesas... Então, acho que faltou eficiência.

Folha – Você aceitaria ser vice novamente?

Silas – Nunca mais na minha vida quero ser vice, é um cargo de sofrimento. Se o prefeito quiser, ele passa quatro anos sem falar com você, porque o cargo de vice é terrível. Você só tem força se o prefeito se afastar, mas o prefeito não se afasta nunca porque ele não quer perder a rédea da situação. Então, é muito complicado. Eu acho que foi um dos cargos que mais sofri na minha vida, porque queria fazer tanto e não puder fazer nada. Fiquei parado, fui candidato a deputado, sonhava em ser deputado e Deus me sustentou como vice, mesmo na sofrência, e agora passo de vice pra deputado. Tomara que o cargo de deputado seja um cargo que eu possa fazer bastante coisa para o nosso povo.

Folha – E em relação a 2020? Você vai ser candidato a prefeito na próxima eleição?

Silas – Isso tudo o tempo dirá. Não posso dizer sem saber os quadros como estarão lá na frente. Existem muitas dúvidas que me conduzem a um discurso de tranquilidade, de não falar nada fora do tempo.  Vanderlei, meu filho, também é uma possibilidade de ser o futuro prefeito. É inteligente, corajoso, tem caráter, fez um grande mandato...