Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 404
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
Câmara

Sessão da Câmara é marcada por protestos

Após as eleições, audiência questiona faltas de vereadores e caos administrativo de Cabo Frio

04 outubro 2016 - 19h59
Sessão da Câmara é marcada por protestos

No Carnaval das eleições de 2016, a sessão de ontem da Câmara de Cabo Frio selou a terça-feira de cinzas com a falta de quórum. O desfile das campeãs apresentou apenas os vereadores Luiz Geraldo (PRB), Jeferson Vidal (PSC), Vanderlei Bento (PSDB), Rodolfo de Rui (SD); com os não reeleitos Adriano Moreno (Rede), Fred (PDT) e Braz (PMDB). A plateia esteve animada e não perdoou nem os faltosos nem quem não marcará presença na Casa no ano que vem.


O maior alvo das críticas foi justamente o presidente da Câmara e filho do prefeito Alair Corrêa (PP), Marcello Corrêa (PP), que faltou sem justificativa. O coro de “o papai não votou”, em alusão a uma foto que circulava pelas redes sociais com a prova da abstenção de Alair, foi entoado diversas vezes. Outra música bastante cantada foi “não, não, não, não, não vai haver reeleição”, direcionada aos dez vereadores não reeleitos.


O vereador Vanderlei Bento (PSDB) percebeu a ânsia por mudança da população.
– O povo deu o recado nas urnas pela mudança do modelo político. Nós temos, agora, a oportunidade da transformação e de resgate da credibilidade do Legislativo – afirma.


Já o vereador não reeleito Fred também vê um clima de insatisfação.
– Minha coligação teve três partidos e somente um candidato teve a votação mais expressiva. Não conseguimos atingir o quociente eleitoral. Mas a insatisfação com a política também ajudou. Além disso, fizemos uma campanha limpa, sem compra de votos, o que é importante destacar – analisa.
A servidora Jane Carvalho, 44, não se surpreendeu nem um pouco com a ressaca eleitoral.


– Isso não é desde hoje (ontem). Isso é desde sempre. Toda terça e quinta é a mesma história. A única vez em que me lembro de todos estarem presentes foi na votação das contas de Marquinho Mendes. Mesmo assim, foi uma votação a portas fechadas. Antes, eles estavam dentro da campanha e não poderiam vir. Agora qual é a desculpa? Já fomos até no Ministério Público denunciar a falta de trabalho deles – dispara.


A servidora Denize Alvarenga, 48, também estava inconformada e pediu mais transparência no Legislativo.
– É uma situação vergonhosa. Mais uma vez vimos a falta de compromisso dos vereadores eleitos para o mandato que só termina em dezembro. Simplesmente, eles ignoram o dever e não comparecem ao serviço. Queria ter acesso ao contracheque e verificar se são descontados pela falta de trabalho. A sociedade precisa ter acesso a essa informação. Portal da Transparência não é só para o Executivo: o Legislativo também deve nos dar acesso à folha de pagamento e contracheque desses senhores.


Um dos poucos vereadores a não serem perseguidos pelo público, Adriano Moreno está confiante em assumir o cargo de prefeito de Cabo Frio caso Marquinho Mendes tenha a candidatura indeferida. Em seu discurso na tribuna, Adriano aproveitou para agradecer aos votos e propôs um governo participativo.
– A campanha mostrou que as pessoas querem a verdadeira mudança na cidade. Hoje, se criou estabilidade política e econômica em Cabo Frio. Farei um governo do povo e para o povo. Os funcionários terão seus direitos respeitados. Acabou o coronelismo. Cabo Frio, agora, tem um novo prefeito e esse prefeito é doutor Adriano – disse ele, sem levar em conta o artigo 224 do Código Eleitoral, que prevê novas eleições em caso de impugnação de Marquinho Mendes.

*Confira a matéria completa na edição da Folha dos Lagos desta quarta-feira