Assine Já
sábado, 27 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26379 Óbitos: 907
Confirmados Óbitos
Araruama 6711 182
Armação dos Búzios 3191 32
Arraial do Cabo 855 37
Cabo Frio 7249 347
Iguaba Grande 2510 55
São Pedro da Aldeia 3488 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
servidores

Servidores já mostram impaciência com governo

Silêncio sobre contraproposta de calendário de pagamento incomoda e protestos não estão descartados

17 janeiro 2017 - 00h09Por Rodrigo Branco I foto: Arquivo Folha
Servidores já mostram impaciência com governo

Hoje completa uma semana que a contraproposta dos funcio­nários públicos municipais para o calendário salarial foi entregue à Prefeitura de Cabo Frio, mas desde então não houve avanços e a negociação está emperrada. A demora do governo em fazer uma nova oferta já causa impa­ciência entre os servidores e, nos bastidores, já foi levantada a possibilidade da volta das ma­nifestações de rua, frequentes na gestão do ex-prefeito Alair Cor­rêa, caso não haja uma resposta rápida sobre o assunto.

Oficialmente, contudo, protes­tos como o fechamento de pontes ainda teriam que ser aprovados na assembleia unificada das ca­tegorias, marcada para amanhã. De qualquer forma, o presidente do Sindicato dos Servidores Mu­nicipais de Cabo Frio (Sindicaf), Olney Vianna, disse estranhar a situação e cobrou uma resposta da secretaria de Governo, onde foi entregue a contraproposta dos servidores.

– Esperava que no dia seguin­te a gente tivesse uma resposta. Era para a Secretaria de Gover­no ter se mexido de imediato para resolver a situação. Não é questão de impaciência, é de de­sespero. O pessoal está passando fome – disse Olney, que ontem tentou, sem sucesso, solucionar a questão na Prefeitura.

Enquanto o impasse não é re­solvido, alguns setores, como a Guarda Municipal, passam por mudanças para atender à de­manda da alta temporada. Se­gundo o delegado sindical Joel Pires Marques, foi fechado um acordo interno com a chefia para aumentar o contingente nos plantões de 30% (percentual previsto na lei de greve, já que a Guarda permanece aquartelada) para 50% do quadro funcional. O formato da escala continua 24 x 72 (um dia trabalhado para três de descanso). Sobre o estado de ânimo dos colegas, ele prefere não opinar.

– Isso é muito subjetivo, no momento em que nós ainda não passamos por uma assembleia – disse Joel.

A Associação dos Fiscais Mu­nicipais, idealizadora da con­traproposta, se manifestou na última sexta-feira e não econo­mizou farpas contra o governo. Em postagem no seu perfil do Facebook, a entidade disse que procurou três vezes o secretá­rio de Administração, Deodoro Azevedo, mas como não conse­guiu ser recebida, ‘entende que o governo não quer dialogar’.

Um servidor que pediu para não ser identificado deu o tom da insatisfação entre os colegas.

– Os servidores estão revol­tados. Até agora não deram res­posta de nada. Estão ganhando tempo – comentou.

Em nota enviada à reporta­gem, a Prefeitura de Cabo Frio informou que está acompanhan­do diariamente a receita munici­pal para averiguar a viabilidade da contraproposta enviada pelos servidores.