Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
empréstimo

Sem votos suficientes para aprovar empréstimo, governo retira projeto da pauta

Composta por sete vereadores, ala "independente" se manifestou contra a operação

02 junho 2016 - 08h35Por Rodrigo Branco
Sem votos suficientes para aprovar empréstimo, governo retira projeto da pauta

FIÉIS DA BALANÇA – Se texto não for alterado, grupo vai votar contra o crédito (Alessandro Teixeira)

A sessão de hoje na Câmara de Cabo Frio está com jeito de xeque-mate na autêntica partida de xadrez que se tornou o embate entre governistas e oposicionistas em torno do empréstimo de até R$ 200 milhões pretendido pela prefeitura. Oficialmente, apesar de a matéria não constar na pauta, nos corredores da Casa Legislativa a votação é dada como certa.

Ontem, dia que marcou o aniversário de 74 anos do prefeito Alair Corrêa (PP), as primeiras notícias foram até animadoras para o governo. De manhã, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Cabo Frio aprovou por quatro votos a dois parecer favorável à operação financeira junto ao Banco do Brasil. O prazo para emissão do relatório tinha terminado na última sexta.

De toda forma, o resultado já era esperado, uma vez que a comissão é controlada, em maioria, por aliados de Alair. Votaram favoravelmente o presidente da CCJ e relator da matéria, Paulo Henrique Corrêa (PP); Vinícius Corrêa (PP); Taylor Jasmin (PRB) e Emanoel Fernandes (PRP). Os votos contrários foram de Luis Geraldo (PRB) e Eduardo Kita (PPS). O sétimo membro, Vanderlei Bento (PMB) estava ausente.

O que veio sem seguida, no entanto, foi um balde de água fria nas pretensões governistas. A bancada “independente” da Casa, composta por Kita; Luis Geraldo; Braz Enfermeiro (PMDB); Zé Ricardo (PMDB); Ricardo Martins (Solidariedade); Rodolfo Machado (Solidariedade) e Fred (PDT) anunciou posição de votar contra o empréstimo bancário.

De acordo com Kita, a decisão do grupo foi tomada por causa da não retirada do polêmico artigo 4 do texto, que dá como garantias ao banco arrecadações próprias do município, como impostos (IPTU, ITBI e ISS) e repasses do Fundo de Participação dos Municípios.

– A orientação, segundo interlocutores do governo, a orientação era manter o texto. Diante disso, nós sete nos posicionamos contrários – afirmou o vereador.

Com este quadro, se materializaria cenário apurado pela Folha em enquete publicada na edição do último dia 20 de maio. Inclusive, o placar provável seria o mesmo: 12 a 5, contra o empréstimo. Os oposicionistas Aquiles Barreto (SD); Adriano Moreno (Rede), Celso Campista (PDT) e Jéferson Vidal (PSC) já tinham se manifestado publicamente contrários à intenção da prefeitura.

Desta forma, segundo informações de bastidores, uma reversão do quadro só seria possível com uma alteração de última hora da mensagem, o que é considerado pouco provável, uma vez que a garantia seria uma exigência do banco estatal para liberar o dinheiro. De toda a forma, a pressão sobre os chamados ‘fiéis da balança’ tem sido grande nas últimas horas.