Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Secretário

Secretário de Saúde de Cabo Frio confirma 300 demissões

Na Educação, quantidade de dispensas ainda está sendo fechada

01 agosto 2017 - 07h55Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Secretário de Saúde de Cabo Frio confirma 300 demissões

Secretário Pillar, sobre as demissões: "Não tem 'sobra', estamos apenas redimensionando"

Conforme o secretário de Fazen­da de Cabo Frio, Clésio Guimarães, havia adiantado à Folha em meados do mês passado, a prefeitura terá que cortar 20% do efetivo em duas de suas mais importantes secretarias: Educação e Saúde. Mas, se enquanto na primeira a quantidade de dispen­sados ainda está sendo fechada; na segunda, o número de vítimas da gui­lhotina já está certo. Ao todo, serão demitidos 300 servidores, entre mé­dicos, profissionais de enfermagem e da área administrativa. Contudo, o titular da pasta, Roberto Pillar (foto), garan­te que o atendimento à população não será afetado. Atualmente, a secretaria tem 3.800 servidores, sendo 2.500 contratados e o restante efetivo.

– Fizemos um levantamento nos últimos três ou quatro meses dos atendimentos nos ambulatórios e ve­rificamos que a oferta de consultas foi maior que a procura. No Jardim Es­perança, por exemplo, de uma previ­são de 5 mil, houve 3.500 consultas. Tem uma sobra e estamos remanejan­do isso. A procura não está tão grande, explica Pillar.

Apesar disso, o secretário nega que a pasta estivesse com funcionários de ‘sobra’. Na busca pelo equilíbrio nas contas, Pillar disse ainda que está cor­tando gastos com despesas correntes (água, luz, material de escritório), mas a luta principal é por aumentar o cha­mado ‘teto financeiro’, isto é, o valor que é ressarcido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) por Cabo Frio ser ci­dade-polo em algumas especialidades. Ele alega que, por conta de má gestão no governo passado, o município re­cebe valores defasados de ‘teto’, fato que o obriga a investir a diferença em recursos próprios para pagar consultas e procedimentos.

– Perdemos, por mês, R$ 1,5 mi­lhão devido à má gestão passada. Te­nho brigado com o Governo Federal e com o Estado para aumentar esse teto financeiro. Cabo Frio é polo em alguns serviços. Para oncologia, re­cebíamos R$ 600 mil em 2012. Hoje, os gastos são de R$ 1,1 milhão, mas continuamos a receber R$ 600 mil – exemplifica.

Por determinação do prefeito Mar­quinho Mendes (PMDB), na Edu­cação, o mantra também é enxugar gastos. No entanto, o número de dispensados na pasta ainda não foi definido. As aulas na rede municipal voltaram ontem, mas a secretaria se debruça sobre o planejamento para que nenhuma unidade tenha déficit de funcionários. A secretária Laura Bar­reto aposta na entrada dos aprovados do concurso de 2009 para não deixar a qualidade do ensino cair.

– Chegaram os concursados que assumiram suas turmas hoje (ontem). Estamos fazendo agora o enxuga­mento de outras séries. Está come­çando um outro trabalho. Estamos trabalhando para ver se nesse mês de agosto a gente consegue chegar a um denominador – acredita Laura.

De todo modo, a secretária disse que a folha já terá um alívio imedia­to. Isso porque os 1.500 professores que estavam contratados receberão apenas até o referente a 15 de julho, dia em que o vínculo temporário ter­minou. No entanto, vários desses pro­fissionais continuarão a trabalhar na rede no segundo semestre letivo.