Assine Já
segunda, 06 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 337 Confirmados: 3024 Óbitos: 179
Suspeitos: 337 Confirmados: 3024 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 272 585 40
Armação dos Búzios X 256 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 954 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 465 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
alair corrêa

Secretariado de Alair Corrêa tem primeira mudança após reforma

Por motivos de saúde, Ana Ecilda deixa Assistência Social

30 janeiro 2016 - 10h43

Mal foi concluída a reforma administrativa do governo municipal, o novo secretariado de Alair Corrêa (PP) terá a primeira mudança. Exatos 16 dias após a sua nomeação, Ana Ecilda Giordano de Souza, titular da pasta da Assistência Social, Melhor Idade, Prevenção e Combate ao uso de Drogas e Criança e Adolescente teve a exoneração publicada ontem. De acordo com a prefeitura, o pedido partiu da agora ex-secretária, que por recomendação médica se afasta para tratamento de saúde. Ontem mesmo, Alair nomeou a substituta no cargo, a assistente social Martha Ribeiro Freschi.

A nova pasta é resultado da fusão das antigas secretarias de Assistência Social; da Melhor Idade, da Prevenção e Combate ao uso de Drogas e da Criança e Adolescente. A mudança foi feita como tentativa de diminuir os gastos com a máquina pública por meio da redução do número de pastas, passando de 18 para as atuais 11, incluindo a Procuradoria e a Controladoria do município. De acordo com o prefeito, a economia para os cofres municipais pode chegar a R$ 700 mil mensais.

A reforma administrativa aconteceu na primeira quinzena do ano, depois de um polêmico pedido de renúncia coletiva feito pelo prefeito à antiga equipe, na sua página do Facebook. O episódio gerou mal estar, pois alguns dos antigos colaboradores alegaram que primeiramente  tomaram conhecimento das mudanças pelas redes sociais e não de forma oficial. Os cortes também foram mal recebidos por aliados, cujos apadrinhados teriam perdido cargos no governo.