Assine Já
quinta, 28 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
32ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22908 Óbitos: 767
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2989 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6139 264
Iguaba Grande 2043 50
São Pedro da Aldeia 3225 107
Saquarema 2294 117
Últimas notícias sobre a COVID-19
ELEIÇÕES 2020

Rubens Lopes: "Não busco cargo ou salário; ser prefeito é necessidade de servir à cidade com paixão"

Candidato a prefeito de Búzios pela Rede Sustentabilidade é o décimo a apresentar suas ideias na série da Folha

27 outubro 2020 - 16h00Por Rodrigo Cabral e Rodrigo Branco

O décimo entrevistado da série da Folha com os candidatos a prefeito de Búzios é Rubens da Costa Lopes Filho, de 46 anos. O fotógrafo concorre pela primeira vez ao cargo máximo do município, pela Rede Sustentabilidade. Rubens Lopes tem ao seu lado na chapa a jornalista Simone Kikuchi, de 43 anos. 

Folha dos Lagos – Por que deseja ser prefeito? Qual legado quer deixar para a cidade?

Rubens Lopes – Não tendo em quem acreditar entre os candidatos que foram apresentados, acreditei em mim. Não estou em busca de um título, não estou buscando cargos ou salários. Ser prefeito para mim é a necessidade de ter alguém servindo à cidade com paixão e devoção, e que realmente se preocupa com a cidade. O legado que quero deixar é 100% das praias de  Búzios livre do esgoto, 100% de crianças matriculadas e em vias de serem  alfabetizadas e índice zero de desemprego.

Folha – Como retomar o desenvolvimento, gerando emprego e renda, após um cenário de pandemia?

Rubens – Garantir investimento maciço em Turismo, com campanhas realizadas diretamente pela Secretaria para obter resultado de curto prazo, diversificar a matriz econômica com investimento em formação e qualificação profissional e subsidiar micros e pequenas empresas para que possam se consolidar e contratar mão de obra, e dar suporte ao profissional autônomo para gerar renda para seu lar.

Folha – Os municípios da região tiveram índice baixo no Ideb. Como mudar esse cenário e quais seus planos para a Educação?

Rubens – Investimento, investimento e investimento. Não tem outro caminho para mudar esse cenário. Vou criar o programa de formação continuada para todos os profissionais da Educação, em parceria com instituições de Ensino Superior. E estabelecer metas para os profissionais fazerem pós-graduação e mestrado. Para alcançar esses resultados vamos corrigir os salários dos professores e dar aumento real e significativo para o professor ter dignidade e não precisar ter várias matrículas e ser refém do trabalho. Aos que aderirem ao programa de formação continuada, além de buscarmos desconto com as faculdades, vamos dar bônus salarial e bônus de horas para o professor se qualificar. Entre outros projetos estão política de incentivo ao desempenho escolar; implantação do sistema self-service na merenda escolar; instalação de armários para os alunos guardarem livros, uniformes e artigos de higiene pessoal; mobilizar e efetivar uma política de Educação de jovens e adultos que gere uma taxa de alfabetização próxima a 100%; fortalecer a gestão democrática da Educação garantindo a articulação com a sociedade civil e fortalecendo o Conselho Municipal de Educação e dos conselhos escolares; distribuição gratuita anual de uniformes para todos os alunos da rede municipal de ensino; reformar, ampliar e equipar as bibliotecas públicas municipais e as bibliotecas no dentro das unidades escolares; implantar aulas de inglês e espanhol do 1º ano ao 9º ano com boa  carga horária; dar ênfase para a Educação Ambiental e a Educação para o Trânsito e garantir aos estudantes transporte escolar de boa qualidade a toda rede escolar. 

Folha – Quais as principais propostas para a Saúde? 

Rubens – A Saúde tem um bom percentual de recursos, precisamos apenas gerir bem os recursos. Entre as principais propostas, algumas são apenas mudanças de protocolo para humanizar o atendimento. Entre as nossas propostas também estão a criação do Centro de Imagem municipal para realização de exames como: raio-x, mamografia, tomografia, ultrassonografia; a criação do Laboratório de análise clínica municipal para realizar exames; a ampliação da cesta de medicamentos da farmácia básica do SUS; a construção da clínica odontológica municipal; humanizar e melhorar o sistema de apoio ao  tratamento oncológico e renal; garantir que todo o material de consumo hospitalar seja de qualidade e em abundância e a ampliação dos serviços de Fisioterapia.

Folha – Quais as principais políticas que serão adotadas para o Turismo?

Rubens – Defendo a criação de um calendário de eventos extenso e intenso para a cidade. Após a definição de quais eventos irão compor o calendário, começaremos a trabalhar para tornar esse calendário uma realidade. Vou buscar a integração com as cidades de Cabo Frio e Arraial do Cabo para ações de divulgação, e ações junto aos Governos Federal e Estadual  para realização de políticas conjuntas. Quanto a obras e projetos, construiremos dois centros de convenções e o Museu da História Quilombola na Rasa; criaremos o selo de qualidade para profissional do setor, tais como guias, agentes, pousadas, restaurantes, embarcações, etc. Também faremos o mapeamento das trilhas para investimentos e criação de novos circuitos turísticos de caminhada, fotografia e passeio  montado e outros. Por fim, criaremos o banco de imagens públicas de fotos e vídeos de alta qualidade das praias de Búzios, bem como da nossa arquitetura, gastronomia, costumes, etc., a fim de dar suporte às empresas do setor de Turismo, como pousadas e agências, para fomentar a divulgação de nossa cidade. 

Folha – O que o candidato pensa em relação a políticas afirmativas para mulheres, negros e LGBTs?

Rubens – Defendo as políticas afirmativas como ferramenta de nivelamento social e inclusão.  Apesar do negacionismo, mulheres, negros e LGBTs ainda são muito discriminados. Um dos pontos fortes do meu plano de governo é justamente o investimento no social, investindo na qualificação profissional, vamos dar dignidade a todos. Tenho, inclusive, um programa social feito especialmente para as mães solteiras. Acredito que as políticas afirmativas já existentes podem ser melhoradas. O que eu penso é que o racismo estrutural é uma realidade incrustada não só na sociedade brasileira, como na buziana também,  assim como o machismo e a homofobia. Aqui ainda temos  a xenofobia bem enraizada e catalisada nos nossos ‘hermanos’. Penso que só investimento em Educação de alta qualidade e em Cultura poderá mudar essa mentalidade.

Folha – Quais suas principais propostas para o Esporte?

Rubens – O Esporte, para mim, é tão importante quanto a Educação. Tenho acompanhado ao longo de 25 anos, o importante trabalho social do professor Amauri Claudino de Holanda, junto à Associação de Corredores de Búzios, e nunca vi um de atleta que tenha treinado com ele por mais de dois anos se perder nas drogas ou na vida. Todos os seus alunos tiveram o caráter lapidado pelo esporte para a vida e se tornaram cidadãos saudáveis no aspecto mais amplo da palavra. Entre algumas propostas estão a construção da pista de atletismo; viabilizar recursos para a construção de uma moderna arena multiuso (ginásio poliesportivo municipal); criar calendário anual de eventos esportivos com o  máximo de  modalidades possíveis; apoiar e incentivar os clubes amadores do município; manter e ampliar as escolinhas de práticas esportivas nas diversas modalidades; a implantação de áreas de esporte e lazer em cada área pública sem uso; a construção de quiosques nas praças para instalação de tênis de mesa; a construção da pista de skate na Rasa e Cem Braças; promover a iniciação desportiva nas modalidades olímpicas; prestigiar e apoiar atletas locais para representar a cidade; realizar as Olimpíadas Municipais, com disputa de várias modalidades esportivas entre as unidades escolares, visando à integração social e promoção da saúde; a construção de um parque aquático para prática de esportes como natação; a extensão  do Projeto Botinho  para atender as crianças dos bairros do Centro,  Rasa, Cem Braças,  Baia Formosa e entorno.

Folha – Quais suas principais propostas para a Cultura?

Rubens – Primeiramente, vou buscar um secretário da área, de preferência concursado, para criação de programas bem estruturados a fim de que esses programas se transformem em política de estado e não possa ser desfeita ao bel prazer do próximo governante, desconstruindo aquilo que foi caro ao município e dando continuidade aos programas. Vamos democratizar e dar transparência aos processos decisórios, assegurando a participação social nas decisões da política cultural, implementando o sistema municipal de cultura; rever a política de privatização da cultura que vem sendo implantada  paulatinamente tendo, dada a importância estratégica da cultura para o desenvolvimento social e econômico da cidade. Também vamos criar um núcleo do ‘Circolo Social’ no espaço escolar; uma escola de teatro; e um núcleo da escola de música Tom Jobim no espaço escolar. Outras propostas são disponibilização de verba para projetos não programados, vindos da sociedade; intensificar os investimentos do festival de cinema; implementar o concurso anual de fotografia; implantar artes como pintura, escultura, gravura,  danças na grade escolar; a construção do Teatro Municipal no centro da cidade; criar o Festival Anual  de música latina; e a Escola de Dança Municipal com núcleos no Centro, Manguinhos, São José e Rasa.

Folha – Quais os projetos do candidato para qualificar e ampliar a atuação da Guarda Municipal na Segurança Pública?

Rubens – Defendo que a Guarda Municipal volte a ser o que era, cuidando do patrimônio público, das nossas crianças nas escolas, e assista o poder público em ações governamentais de fiscalização e controle. Segurança pública é coisa de polícia, é obrigação do Estado.

Folha – Quais as prioridades em relação à infraestrutura da cidade?

Rubens – O atual governo conseguiu a proeza de fazer a cidade ficar pior do que era, e teremos que começar do zero. Em meio a esse caos, a boa notícia é que dentro da Secretaria de Planejamento Urbano há projetos elaborados e prontos para quase toda a cidade e que só faltam sair do papel. No entanto, vou colocar algumas propostas que compõem nosso plano de governo, tais como o ordenamento do crescimento da cidade com a distribuição adequada das atividades urbanas, adequando ao índice de crescimento estimado nacional; garantir que todo projeto de obra pública respeite e atenda aos padrões e normas de acessibilidade a idosos e deficientes físicos; a duplicação completa da Avenida José Bento Ribeiro Dantas, com ciclofaixa; a construção completa de uma via alternativa à José Bento Ribeiro Dantas, que vá de Cem Braças ao Centro; e a reconstrução  com  duplicação da ponte da Marina. Vamos investir na criação de ciclofaixa nas principais avenidas da cidade e da ciclofaixa do Pórtico à Rua 22; bem como implementar soluções diversas de engenharia de tráfego e operação do trânsito, a fim de promover, prioritariamente, a segurança e a fluidez. Também vamos implementar o Plano Municipal de ]Drenagem, visando à identificar os pontos de alagamento ou inundação, apresentando soluções necessárias e a priorização de ações; construir a Rodoviária; propor projetos e planos específicos para pedestres e bicicletas reconhecendo-os como meios de transporte; e assegurar equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros e circulação segura e confortável.

Folha – Quais as principais políticas que serão adotadas em relação ao Meio Ambiente? 

Rubens – Tenho por meta chegar ao fim do governo com 100% de esgoto tratado e as praias livres de esgoto. Se eu conseguir isso, vou sentir a sensação de dever cumprido. Algumas propostas da pasta são municipalizar a captação e tratamento de esgoto; equipar com drones as equipes de fiscalização; fazer parceria com Inea e Ibama para formar e certificar  fiscal voluntário; promover a Educação Ambiental na rede municipal de ensino; ampliar a arborização de rua, com espécies adequadas e participação de moradores no plantio e cuidados dessas árvores; elaborar plano de uso dos parques, delimitando áreas importantes para conservação, preservação, lazer e convívio; criar sistema de monitoramento de fauna e flora nas áreas de parque em nossa cidade; implantar programa de plantio e conservação de árvores frutíferas e nativas. Vamos ainda construir parceria para transformar galhos de poda de arvore em carvão ecológico; instalar placas fotovoltaicas em todo prédio público até alcançar a autossuficiência em energia elétrica; e convocar os guardas ambientais concursados.

Folha – De que maneira o município pode ser mais independente dos repasses dos royalties? Como enxerga um cenário caso o regime de partilha dos royalties seja alterado no STF?

Rubens – Esse é o grande desafio, ser independente dos royalties. Dentre as muitas propostas, defendo que baixando os impostos o índice de inadimplência seria muito menor, gerando maior receita anual. Outro ponto é diversificar a matriz econômica do município para ir além do Turismo, buscando atrair pequenas indústrias não poluentes geradoras de tributos e empregadoras. Caso o STF altere o sistema de partilha, não deverá afetar minha administração em nada, pois naturalmente vou fazer um governo austero, economizando todos os recursos que temos. Já enfatizei aqui algumas dessas propostas.

(*) O entrevistado desta quarta-feira (28) será o candidato Vicente da Padaria, do Cidadania.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.