sábado, 25 de maio de 2024
sábado, 25 de maio de 2024
Cabo Frio
25°C
Park lagos
Park Lagos 2
Clóvis Barbosa

Revéillon já está sendo planejado

Superintendente de Eventos diz que há patrocinadores interessados e fala sobre outros projetos

06 agosto 2019 - 20h24Por Redação I Foto: divulgação
Revéillon já está sendo planejado

É com o combustível da parceria público-privada que Clóvis Barbosa, 22 anos, superintendente de Eventos de Cabo Frio, quer aquecer o calendário da cidade.  Segundo ele, as reuniões para definir o que virá para a alta temporada já estão a todo vapor. Sobre a festa de réveillon, Clóvis ainda é cauteloso neste entrevista à Folha: diz que já há patrocinadores interessados, mas sem revelar quais são.  Garante, no entanto, que está garantida a queima de fogos na Praia do Forte e, também, em Tamoios.


Folha dos Lagos – Como está sendo o desafio de assumir a Superintendência de Eventos?

Clóvis Barbosa – Foi um convite feito pelo prefeito, mas era um trabalho que vinha sendo executado nos bastidores, de auxiliar a coordenadoria. Foi com muita felicidade que recebi o convite e aceitei, sempre visando o intuito de transformar um pouco a pasta e dando uma cara a ela de busca de parcerias e desenvolvimento de projetos novos para cidade.


Folha – E o que você pretende implantar? Qual vai ser a marca da sua gestão?


Clóvis – Como o prefeito bem fala e cobra, é captar recursos de fora para investir na cidade. Botando isso com um princípio e missão, quero formatar e fazer renascer os eventos antigos da cidade, que já deram certo e, por algum motivo, acabaram deixando de acontecer.

Folha – Qual, por exemplo?


Clóvis – O Festival do Camarão, que a gente reviveu numa parceria com o Espaço MAV. A gente pode ajudar com pouco, pois estava iniciando uma gestão da pasta. Mas agora queremos reviver festivais como o do marisco. Estamos conversando com as associações, como o Convention Bureau, a Acia. Estou trabalhando sempre em parceria com o secretário [de Turismo] Paulo Cotias para desenvolver projetos, para que a gente possa apresentar para entidades, empresários, comerciantes de praia de modo geral e ambulantes para ver o que eles acham do projeto e podem apoiar.


Folha – O objetivo, então, é trabalhar em parceria público-privada?


Clóvis – Nós entendemos que os eventos são muito importantes para a economia da cidade.  É muito necessário aquele evento que o barraqueiro tem seu ponto, o ambulante tem seu ponto e as pessoas conseguem fazer o mercado se movimentar. Só que, com a queda de arrecadação que nós temos, não é possível que a prefeitura banque totalmente os custos das festas. Então, a gente está buscando parcerias, desenvolvendo conversas para poder fazer eventos de qualidade, grandes como sempre foram, mas que a prefeitura gaste o mínimo possível e que a população, como um todo, não deixe de ser atendida nesse quesito tão importante, que é o entretenimento.


Folha – Qual a sua avaliação da primeira edição do Boulevard Bohemio?


Clóvis – O Boulevard Bohemio foi um projeto apresentado pelo Tchello [Santa Rosa] e pelo Carlos [Ernesto Lopes, o Carlão].  A  primeira fala deles já despertou o encanto da equipe de Turismo, da equipe de Eventos e do próprio prefeito. Juntos conseguimos achar um formato de parceria público-privada com os comerciantes do Canal e a produtora. Conseguimos formatar esse evento, que foi um sucesso. A ideia é espalhar eventos desse formato nos outros polos, como a Passagem, e estender para Tamoios. Em setembro, temos a volta do Festival de Frutos do Mar, que vai acontecer na Praia das Palmeiras, tendo o mesmo formato do Festival do Camarão, com barracos, palco e show. 


Folha – Quando vai acontecer esse festival?


Clóvis –  De 5 a 8 de setembro. Temos uma expectativa muito grande sobre ele.


Folha – Você tem uma meta de quantos eventos pretende realizar neste ano e no ano que vem?

Clóvis – A ideia é que consigamos fazer um evento desse porte por mês. Sem onerar os cofres públicos para isso, sempre buscando a parceria público–privada para conseguir atender o meio.


Folha – Já tem um calendário de eventos para o ano que vem?


Clóvis – Já temos um calendário que está sendo elaborado. Dentro de um mês devemos divulgá-lo.


Folha – Nele há eventos de que tipo?


Clóvis – A gente já tem um calendário de eventos fixos na cidade. Nele temos as festas históricas, como aniversário da cidade e a festa da padroeira. E temos eventos que são agregados, que chamamos de festas do mar. Esses eventos agora vão estar fixos no calendário da cidade.


Folha – Já tem planejamento para o Réveillon?


Clóvis – Posso adiantar que vai ser uma festa linda, como Cabo Frio sempre esteve acostumada. E seguindo os moldes desses eventos que a gente tem feito em parceria público-privada. As negociações estão bem avançadas e, no momento certo, a gente vai anunciar.


Folha – Mas pode adiantar que tipo de show e se vai ser nos moldes do que aconteceu este ano, com artistas locais?


Clóvis – Nós vamos valorizar os artistas locais. Podemos adiantar que a fasta vai acontecer em Tamoios e Cabo Frio, o que é uma premissa do prefeito, que é atender os dois lados. Os artistas locais sempre estarão no nosso palco porque é fundamental botar a prata da casa. As negociações estão avançadas com os patrocinadores interessados em ajudar no réveillon, mas ainda não posso adiantar muita coisa ainda. 


Folha – Nos últimos anos houve a incerteza sobre a queima de fogos. Ela está assegurada este ano?


Clóvis – A queima de fogos está garantida e show na praia também.

Folha – O que planeja para a alta temporada?

Clóvis – A gente tem recebido muitos projetos, empresas, produtores e produtoras que querem desenvolver projetos. Estamos recebendo todos e avaliando os que são viáveis, os que não atendem. Estamos tentando encaixar para que tenhamos um verão bem movimentado na parte de eventos.

Folha – O que você considera como um evento ideal?


Clóvis – Hoje, eu busco uma formatação de evento para o verão que atenda do período após o Réveillon até o Carnaval, com uma arena de esportes na praia. Sempre que a gente passa na Praia do Forte, olhamos o pessoal jogando vôlei, futevôlei, frescobol, altinha. São esportes que podemos montar numa arena. Só que o custo da estrutura é um pouco elevado. Então,estamos buscando parceiros que possam apoiar esse projeto. E também fazer algo musical, na parte da noite, e dar essa movimentada na areia da Praia do Forte e em Tamoios também. 


Folha – O que você planeja em termos de utilização de outros espaços urbanos, como a Praça da Cidadania, por exemplo?


Clóvis – A gente tem alguns projetos em fase de elaboração, que são para atender os esportes. Um exemplo é a pista de skate. Temos um projeto em fase de desenvolvimento. Não tenho como dar certeza que vai acontecer. É um evento de skate. A ideia é atende a todos públicos. É ter algo para atender ao jovem, aos idosos, todo mundo. Estamos buscando formatar isso aí. Tendo em vista que estamos na pasta há um mês e alguns dias, estamos analisando o que a gente já tem. Porque vai ter um calendário anunciado antes, que a gente vai ter que cumprir e agregar com aquilo que a gente consegue.


Folha – O que vai ser preparado para a Festa da Padroeira?


Clóvis – No próximo fim de semana, já tem a Festa da Padroeira, que é uma festa que o prefeito particularmente gosta muito, por ser católico. A gente está buscando ajudar o máximo possível para que seja uma festa linda, como a cidade merece. Conseguimos doação de fogos para a festa. Vamos ter uma queima de fogos espetacular. 


Folha – Qual é o apoio da prefeitura para a festa?


Clóvis – A prefeitura vai dar a estrutura básica para a festa, apoio logístico, com Postura e  Guarda, para a garantir o bom funcionamento. 


Folha – Tem algum evento que te marcou na cidade?


Clóvis – Sempre gostei do Réveillon de Cabo Frio. Sou cabofriense. Sempre passei réveillon daqui, na Praia do Forte. É sensacional ver nossas areias cheias de turistas e de pessoas encantadas com o melhor que nós temos a oferecer.