Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Requerimento

Requerimento sobre Córrego Rico entra em pauta nesta terça-feira (6)

Promessa é de embate entre governo e oposição sobre aditivo contratual de R$ 27 milhões

06 outubro 2015 - 09h23

RODRIGO BRANCO

Vence nesta terça-feira (6) o prazo regi­mental para a análise e co­locação em pauta por parte da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cabo Frio de requerimento apresentado na última quarta-feira pelo líder da oposição na Casa, vere­ador Aquiles Barreto (SD), em conjunto com Celso Campista (PSB), pedindo ex­plicações da Prefeitura sobre um aditivo contratual de R$ 27 milhões a favor da empre­sa Córrego Rico Transporte e Construção Ltda., que alu­ga máquinas e equipamentos para a administração pública municipal.

O valor foi contestado pela Prefeitura e pelo próprio pre­feito Alair Corrêa (PP), que, em postagem pelo Facebook, disse, apresentando a imagem de documento expedido pela secretaria municipal de Fa­zenda, que o montante pago a empresa pelos serviços pres­tados não passaria de R$ 9 milhões. No entanto, apesar da promessa de que uma reti­ficação do valor inicialmente divulgado seria feita no jor­nal onde saem as publicações do Poder Executivo, isso não aconteceu até o fechamento desta edição.

Independentemente deste fato, a questão é que o plená­rio e os gabinetes da Câmara serão palco de mais um embate político no que diz res­peito aos interesses do Go­verno e da oposição.

E a senha para a ‘queda de braço’ foi dada pelo vereador governista Vinícius Corrêa (PP), sobrinho de Alair, que, na última sessão, sugeriu que a análise das contas se esten­desse aos oito anos da gestão anterior, de Marquinho Men­des (2005-2012), nos quais, segundo ele, houve fraciona­mento na abertura dos pro­cessos, manobra que é proibi­da pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ).

– O vereador Vinicius fez uma sugestão de que esse requerimento se estenda ao governo anterior, para efeito de comparação. Vamos ver se a oposição aceita – disse o presidente da Casa, Marcello Corrêa (PP), filho do prefeito.

Por sua vez, Aquiles, que é ligado a Marquinho, não se fez de rogado e disparou con­tra a iniciativa do Governo.

– Quando vejo essa que­da de braço, percebo que já começa a ter uns medos de apresentar os números. É por isso que eu acho que tentam remoer o passado, mas não o temo. Se quiserem colo­car outro requerimento, que coloquem, eu não retiro este para colocar mais nenhum – rebateu o oposicionista.

Caso o compromisso da Mesa seja concretizado, o re­querimento será colocado em votação no plenário, certa­mente depois de muitas arti­culações entre os vereadores, sobretudo os da base aliada. Há, no entanto, a possibilida­de, prevista pelo artigo 28 do Regimento Interno, de que o documento não entre na pau­ta e vá direto para as comis­sões da Casa. Outra expecta­tiva é pela atitude do vereador Adriano Moreno, de saída para Rede, que assumiu pos­tura de criticar mais incisiva­mente as ações do Governo.