Assine Já
domingo, 07 de março de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27215 Óbitos: 935
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3258 33
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7501 359
Iguaba Grande 2573 58
São Pedro da Aldeia 3610 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Requerimento chamando Alair e Janio é adiado e Aquiles entra com mandado de segurança

Empréstimo sob contestação

04 setembro 2015 - 10h20

RODRIGO BRANCO

 

 

 

 A cada dia a novela da contra­tação do empréstimo pela Pre­feitura de Cabo Frio para com­pensar as perdas com royalties ganha novos capítulos – e o de ontem teve como protagonistas os vereadores da cidade. Mas curiosamente os lances mais emblemáticos aconteceram lon­ge dos holofotes. Pelo menos por enquanto.

Conforme a Folha antecipou na última semana, Adriano Mo­reno, que é do mesmo partido que o prefeito Alair Corrêa, o PP, apresentou requerimento an­teontem pedindo que a Mesa Di­retora enviasse convite ao man­datário e ao deputado estadual Janio Mendes (PDT) para falar sobre o possível acordo, mas de última hora o pedido foi deixa­do de lado, apesar de figurar na pauta do dia.

Visivelmente irritado, Adria­no preferiu não polemizar e disse que foi informado que a Presidência da Casa tem a prer­rogativa regimental de esperar o fim do prazo de cinco dias para colocar o requerimento em vo­tação, o que deve acontecer na próxima terça-feira. Ele preferiu não se estender nos comentários.

– O prefeito fala uma coisa e o Janio fala outra, o que tem causado muita preocupação na cidade. A gente só quer saber quais as condições desse em­préstimo – disse.

Único vereador a votar con­tra a mensagem do Executivo, há quase três meses, que pedia autorização para a operação, Aquiles Barreto (SD) disse que, apesar de respeitar a atitude do colega, a considerou tardia. Para Aquiles, a presença de Alair e Janio na Câmara apenas faria da tribuna um palanque.

– Com todo o respeito ao ve­reador Adriano, trazer o Janio e o Alair hoje, para questionar nú­meros, por fala, não vai adiantar nada. A matéria já foi votada. O que a gente precisa é de dados concretos. Alair precisa vir aqui para dizer onde vai empregar o dinheiro e quais as condições do empréstimo – argumenta.

 

Aquiles entra com mandado na Justiça

Depois de uma frustrada ten­tativa de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para tomar parte dos trabalhos da auditoria na secretaria de Saú­de, incluindo uma ida à Justiça, Aquiles novamente recorreu à via judicial para conseguir ex­plicações do Governo.

O parlamentar entrou ontem com um mandado de seguran­ça no fórum da cidade a fim de que, na impossibilidade de anu­lação da sessão em que houve a votação, em 18 de junho, a ma­téria retorne, modificada, para apreciação na Casa. Na visão de Aquiles, o processo contém vários ‘vícios’.

– Em primeiro lugar, ele foi votado numa rapidez imensa. Segundo, houve um parecer conjunto sem a necessária dis­cussão. Claro que numa sessão extraordinária isso acontece, mas num caso como esse, envolvendo milhões, deveria ter um parecer muito mais técnico e embasado – justifica, entre outras razões.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (4)