Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
renatinho

Renatinho Vianna:

Prefeito critica gestão anterior e fala em planos para aumentar arrecadação

27 janeiro 2017 - 09h50Por Rodrigo Branco
Renatinho Vianna:

O desafio de assumir uma cidade turística como Arraial do Cabo, em plena alta temporada, tem trazido desafios adicionais a Renatinho Vianna (PRB). Às voltas com dívidas deixadas da administração anterior, o prefeito tenta colocar os serviços essenciais nos eixos, enquanto projeta melhoria na arrecadação e geração de empregos com a criação do Condomínio Industrial. Em entrevista, o cabista analisa o início do mandato, diz que obras não são prioridade e que o Carnaval não terá dinheiro público.
– Não podemos gastar um centavo sequer – argumenta.
Folha dos Lagos – Qual a situação financeira que você encontrou na Prefeitura?
Renatinho Vianna –
A situação está bem pior do que a gente imaginava. Tivemos uma dívida de quase R$ 2 milhões com a empresa que fazia a coleta de lixo, cujo contrato terminou apenas no dia 17. Pressionaram para que a gente pagasse, não tínhamos condição de pagar, por isso ficamos vulneráveis, mas graças a Deus esse período já terminou, já foi feita uma nova licitação e escolhida uma nova empresa. Além disso, tem a dívida de R$ 800 mil com o aterro sanitário Dois Arcos, que também nos pressionou obrigando-nos a chamá-los e compor. Além de outras dívidas, de secretarias que foram despejadas por falta de pagamento do aluguel. Essa semana, estourou outra bomba, que é uma dívida de R$ 800 mil com a Enel, que já chegou para cortar. Sentamos, o representante até teve boa vontade e ganhamos até 15 dias para tentar buscar uma solução depois que fechar a folha de pagamento, que é a prioridade. Outra armadilha que deixaram também é o concurso que empurraram com a barriga e só liberaram no apagar das luzes para tentar inviabilizar nossa administração. 
Folha – Está fazendo auditoria? De quanto é a dívida?
Renatinho –
Ficamos um bom tempo às escuras. A gente não tinha acesso aos saldos bancários, aos sistemas e às senhas. Já estamos realizando a auditoria, mas por etapas. Na inicial, a Procuradoria está levantando todos os processos suspeitos nas secretarias. Depois dessa triagem, estamos trabalhando para que a Fundação Getúlio Vargas esteja conosco para fazer uma avaliação mais minuciosa e dê um diagnóstico da situação. Vamos fazer uma prestação de contas da nossa administração com 60 ou 90 dias, mas só a partir desse diagnóstico da FGV é que vamos ter noção do rombo deixado para a gente.
Folha – Além dos cortes nos salários do alto escalão, quais medidas de contenção que estão sendo tomadas?
Renatinho –
Essa semana vou reduzir os salários dos comissionados em 20%. Teve a redução de secretarias. Vários cargos com as mesmas funções em secretarias diferentes, que existiam só para agraciar apadrinhados, foram extintos. Fizemos demissões. Decretamos emergência financeira-administrativa até para justificar algumas medidas emergenciais. 
Folha – O Carnaval deste ano terá dinheiro público?
Renatinho –
O município não vai poder gastar um centavo sequer. Não vamos proibir, como em Araruama, mas vamos exigir que seja feito pela iniciativa privada seguindo todas as regras de mobilidade e segurança.
Folha – Quais os planos para alavancar as receitas?
Renatinho –
O geoprocessamento foi um sistema que deixou muito a desejar. Esse não vai ser o início de ano que a gente pretendia em relação à arrecadação do IPTU, mas o secretário de Fazenda (Sérgio Fernandes) e sua equipe já estão bolando estratégias para alavancar não apenas o IPTU, mas o ISS também, inclusive das empresas de petróleo. A alíquota, que atualmente é de 2%, a gente quer passar para 5%, porque todas essas empresas que exploram Arraial têm que pagar ao município. Já decretamos a desapropriação de uma área para a criação do Condomínio Industrial, onde além de gerar emprego e renda, vai melhorar a arrecadação de ISS. É um pacote de medidas para que o município ande cada vez mais com as próprias pernas e não dependa dos royalties.
Folha – Qual será o destino de obras que estão em andamento, como o Teatro Municipal?
Renatinho –
Nossa prioridade é dar Saúde digna. Estamos conseguindo mudar a cara da Saúde de Arraial como a cara de toda a cidade. Na Educação, a cidade chegou ao vergonhoso Ideb de 3,2 e temos a meta de elevar e torná-la referência na região. No ordenamento, temos travado uma luta muito grande, até porque Arraial está recebendo muito mais gente esse ano. As obras, vamos botar em prática, mas a partir dos momento em que as coisas estiverem organizadas e as contas, saneadas. Nosso objetivo não é dar continuidade ao projeto do teatro, apesar de entender que cultura é importante. O Centro Cultural reformado atende a uma demanda muito boa. O cinema é mais um núcleo que pode ser adaptado. A intenção é transformar o teatro, inclusive o projeto já está adaptado, no centro administrativo de Arraial, que acomode todas as secretarias e uma agência bancária. No projeto, há um auditório para 192 pessoas. Isso vai resolver um problema da gestão passada que gastava com alugueis cerca de R$ 200 mil mensais. 

* Confira matéria completa na edição desta sexta-feira (27) da Folha dos Lagos.