Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
cortes

Renatinho ordena cortes de até 30% em cada secretaria de Arraial do Cabo

Prefeito afirma que reduções incluem demissões e diminuição nos contratos

11 junho 2017 - 15h31Por Rodrigo Branco | Divulgação
Renatinho ordena cortes de até 30% em cada secretaria de Arraial do Cabo

Enquanto termina de contabilizar as dívidas herdadas do município, hoje na casa dos R$ 40 milhões, o prefeito de Arraial do Cabo, Renatinho Vianna (PRB), anuncia novas medidas para tentar debelar a crise financeira. Além de determinar redução de 20% a 30% em cada secretaria, entre contratos e pessoal, Renatinho cortou benefícios, como o abono de férias de todos os servidores. As medidas constam no decreto municipal Nº 2.441, de 30 de maio de 2017, que já em vigor.

Com a medida, estão suspensas as concessões de licença-prêmio e de aumentos de outros benefícios. A partir de agora, as compras da Prefeitura serão feitas com prévias justificativa e autorização. Contratações temporárias também não poderão ser feitas por tempo indeterminado. Da mesma forma, o vale-transporte para servidores em comissão que recebem acima de R$ 2 mil foi cortado.

As verbas de custeio para o funcionamento interno das secretarias também não foram poupadas. Toda a administração municipal terá que reduzir em 20% o consumo de água, energia elétrica, telefonia, combustíveis, material de expediente e outros materiais de consumo e também o uso de ar-condicionado. O uso de carros deverá ser compartilhado entre dois ou mais órgãos. Até o uso de papel para impressão de documentos deverá ser racionado.

Por fim, o horário de atendimento ao público nas repartições foi reduzido em duas horas e agora é de 9 às 16 horas. Nos serviços de natureza essencial, a jornada será das 9h às 17h. O decreto entrou em vigor no 1º de junho. O prefeito admite que as medidas são antipopulares, mas afirma que não há saída.

– Tem que cortar o que onera muito. Assumo que são medidas desagradáveis, mas necessárias. É contenção de despesas mesmo, é apertar o cinto. Esse é o caminho. São medidas de austeridade – confirmou o prefeito.