Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
renatinho vianna

Renatinho: 'não é momento de festa, mas de gestão'

Prefeito fala sobre cancelamento de festividades de aniversário, mas espera por dias melhores

13 maio 2017 - 15h15Por Rodrigo Branco
Renatinho: 'não é momento de festa, mas de gestão'

Em Arraial do Cabo, a história une passado e presente. Primeiro prefeito após a cidade separar-se de Cabo Frio, em 1985, Renato Vianna é pai do atual prefeito, Renatinho Vianna, que hoje passa, pela primeira vez no cargo, o aniversário de emancipação político-administrativa do município. O momento financeiro delicado, no entanto, impediu as comemorações. Orçado em R$ 120 mil, o tradicional desfile cívico teve que ser cancelado. Contrariado, o prefeito diz que o momento é de austeridade mas, cheio de otimismo, acredita que a hora da virada está chegando.

– Ano que vem será o nosso ano. Vamos ter uma grande alta temporada e, se Deus quiser, poderemos fazer uma comemoração de aniversário como a cidade merece – espera o prefeito cabista.

Folha dos Lagos – Como será o primeiro aniversário da cidade à frente da Prefeitura?

Renatinho Vianna – Para mim é muito gratificante e motivo de muita honra. Fico entristecido de ter tomado medidas drásticas, mas diante do momento de crise do Governo do Estado e da herança deixada pelo governo passado, como dívida de R$ 38 milhões, dívidas previdenciárias, redução dos royalties, são medidas necessárias. Não é momento de festividades e sim de gestão. Algumas pessoas entenderam e outras não. Mas tenho certeza que o cidadão de bem entendeu pelo momento que estamos passando.

Folha – Quais seriam os custos das comemorações?

Renatinho – O desfile cívico custa R$ 120 mil, a festa na Câmara, aproximadamente R$ 100 mil, o que daria gastos de quase R$ 250 mil. Os municípios estão num aperto danado e eu não poderia fazer diferente. Temos que respeitar a coisa pública. Mas gostaria de desejar um feliz aniversário de 32 anos para a população cabista. Estamos trabalhando muito para arrumar a casa. Ano que vem vai ser o nosso ano. Vamos ter uma grande alta temporada e, se Deus quiser, poderemos fazer uma comemoração de aniversário como a cidade merece.

Folha – O seu pai foi o primeiro prefeito após a emancipação. Como ele tem te ajudado nesse momento de crise?

Renatinho – Tenho por hábito ouvir as pessoas experientes, não apenas o meu pai, mas outros, como o ex-prefeito Davi Dutra (1993-1996), e outras pessoas que sempre participam desse contexto. Discuto sempre as decisões em grupo, mas a última palavra é minha.

Folha - E como está a situação financeira?

Renatinho –Vale dizer que não contamos com a arrecadação de royalties que teve o governo passado; nem com dinheiro da venda da FIA, da venda do esgoto, da repatriação. Estamos cortando um dobrado tremendo para deixar o salário em dia. Mas num contexto geral, estou muito satisfeito. Estamos priorizando a coletividade. Deixando a cidade limpa e organizada; tem a Saúde; tem a Educação que tem muito a melhorar, mas tem melhorado a cada dia. Apesar de todas as dificuldades, estamos muito satisfeitos com o trabalho.

Folha – Nesse contexto, o melhor presente para os cabistas neste aniversário é ter os serviços essenciais funcionando?

Renatinho – Não podemos fugir desse contexto. Além da herança recebida, tem a crise. O maior presente para a cidade é o compromisso da administração pública de sanear as contas. Tenho certeza que vamos sair desse atoleiro que estamos enfrentando. Como eu já disse, não é momento de festa e sim de gestão.

Folha – Qual a avaliação que você faz da visita a Brasília na última semana?

Renatinho – Nossa peregrinação começou logo depois da eleição. Tivemos êxito em conseguir emendas parlamentares. Foram R$ 3 milhões apenas do senador Eduardo Lopes (PRB), outra da deputada Rosângela Gomes e de outros de deputados que tem carinho por Arraial do Cabo. A tônica do discurso foi de união, independentemente das questões políticas. O Estado se encontra numa crise que acaba se refletindo nos municípios. Protocolamos uma série de reivindicações que, se forem atendidas em 50%, já vai ser um grande passo. Vamos ter a reunião com o presidente Michel Temer (em 5 de junho) para questionar e cobrar sobre a medida que vai nos tirar 50% dos royalties. Isso vai quebrar os municípios. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, disse que vai ser a voz do Estado do Rio de Janeiro, por ser da bancada fluminense.