Assine Já
terça, 19 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Religião na política: isso pode?

Religião na política: isso pode?

Crucifixo na Câmara de Cabo Frio e uso constante do nome de Deus geram polêmica

11 março 2016 - 10h54

“Em nome de Deus, encerro essa sessão”. Com essas palavras, o presidente da Câmara dos Vereadores, Marcello Corrêa (PP) encerrou as atividades legislativas bem embaixo de uma imagem de Jesus Cristo na sessão de ontem. O discurso remete a uma discussão de 1689, quando o filósofo inglês John Locke defendeu abertamente a separação entre Igreja e Estado em sua Carta sobre a Tolerância. A Folha procurou representantes de diferentes segmentos para falar sobre laicidade num país majoritariamente cristão. O advogado Carlos Magno de Carvalho afirmou que a presença de qualquer símbolo religioso é ilegal.

– Tribunais seguem essa tradição como símbolo da religião. Não poderia existir esse símbolo da Igreja Católica, porque o Estado laico traduz a multiplicidade religiosa. O presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Luiz Zveiter, mandou retirar o crucifixo – concluiu.

A candomblecista Margareth Ferreira sente o dever de fazer uma denúncia no Ministério Público contra a Câmara.

– Os espaços são neutros. Quem é de outra religião, quando entra num espaço público com outros signos religiosos, se sente discriatriminado. O Estado não pode fazer isso. Nosso papel é ir ao Ministério Público exigir a retirada desse signo da Câmara – considerou.

*Leia matéria completa na edição impressa da Folha desta sexta-feira (11).