Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
PT

PT de Arraial expulsa vereador Ayron Freixo

Partido vai pedir mandato do parlamentar, que está de saída para o PRB

16 fevereiro 2016 - 15h17

Depois de um longo processo de desgaste, nesta segunda-feira (15), a executiva municipal do Partido dos Trabalhadores em Arraial do Cabo decidiu expulsar o vereador Ayron Freixo sob a alegação de infidelidade partidária. A decisão foi tomada por quatro votos a zero. O parlamentar estava incompatibilizado com a direção da sigla desde que decidiu permanecer na base de apoio ao prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho (PMDB), de onde saiu recentemente. O início da polêmica se deu durante o segundo turno das eleições de 2014 para governador, quando Andinho obrigou os petistas, incluindo o vice-prefeito Reginaldo Mendes a apoiar o então candidato à reeleição Luiz Fernando Pezão (PMDB) contra o senador Marcello Crivella (PRB). Com a negativa, a cúpula rachou com o governo para apoiar o pastor licenciado da Igreja Universal, diferentemente de Ayron, que apoiou Pezão.

Curiosamente, o vereador, agora na oposição, está de malas prontas para a legenda de Crivella, pela qual nutre o sonho de ser vice na chapa do colega de Câmara Renatinho Vianna (Pros), nas eleições que vão determinar o sucessor de Andinho, em outubro. Perguntado sobre sua saída e da possibilidade do PT pedir o mandato, Ayron disse se tratar de um 'processo político'.

– Na verdade, eu estou saindo do partido na próxima 'janela' partidária (em abril). Pedir o mandato demora tempo. Posso recorrer dentro do partido e com o mandato. Portanto, esse é um processo político, na verdade. Eles estão muito desorientados – comentou Ayron.

Ao saber das declarações de Freixo, Reginaldo Mendes afirmou que todo o rito processual para a expulsão foi seguido.

– No estatuto do partido, há previsão de fidelidade partidária. Foi a postura política do vereador que levou a uma decisão política do partido em expulsá-lo. Não há expulsão que não seja política – rebateu o vice-prefeito.