Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Polêmica

Projeto na Alerj pune quem satirizar religiões; OAB diz que é inconstitucional

Caso seja aprovada, lei prevê multa de até R$ 270 mil em caso de descumprimento

21 agosto 2015 - 09h37

RODRIGO BRANCO

 

Um projeto de lei que trami­ta na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) está causando muita polêmica e, a despeito de tratar de humor, está longe de provocar gargalhadas. Caso a proposta do deputado Fábio Silva (PMDB) seja aprovada, sátiras e piadas com religiões podem ser mul­tadas em até R$ 270 mil. Mes­mo reprovado nas comissões da Casa, por manobra do deputado Edson Albertassi (PMDB), o projeto não foi arquivado e ainda será avaliado pela Procuradoria da Alerj. A Ordem dos Advoga­dos do Brasil, no entanto, vê in­constitucionalidade na matéria.

– A Constituição é clara para qualquer tipo de ofensa, mas o humor é liberdade de expres­são, a não ser que o humorista ultrapasse o limite do razoável. Qualquer pessoa que se sentir ofendida pode entrar com uma ação na Justiça pleiteando dano moral – afirma o advogado Re­nato Gonçalves, diretor da seção cabofriense da OAB.

Colega de Fábio Silva, Elio­mar Coelho (PSOL), disse que o projeto é um ‘retrocesso’ e a bancada do partido se articulará para que ele seja arquivado.

– A aprovação de um projeto como esse representa um retro­cesso enorme à democracia e à liberdade de expressão artística e cultural – critica o pesolista.

Principais prejudicados, os humoristas lamentam a inicia­tiva do deputado do PMDB. A medida afeta diretamente o tra­balho do ator cabista Lucas Fia­lho, que encena, vestido de frei­ra, a peça de sucesso ‘As Irmãs’.

– É uma forma de censura. Não desrespeitamos ninguém. Levam religião a sério demais, precisam abrir a mente – disse.

Seu colega Rodrigo Rodri­gues concorda.

– Como isso? Tô ferrado né! Isso me afeta em número gênero e grau. Qual é o limite da sátira? Qual o limite da ofensa alheia? – questiona Rodrigues.

Mesmo entre religiosos, como o pastor Neemias Lima, evangé­lico como Fábio Silva, o assunto é visto com reservas.

– A princípio sou contra qual­quer tipo de retaliação artística e cultural, mas é preciso observar e respeitar o direito do outro.