Assine Já
quinta, 21 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
nova

Primeiros cem dias da nova Câmara são marcados por indicações e polêmicas

Marasmo e lentidão do mandato passado parecem ter sido superados

07 abril 2017 - 00h52Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Primeiros cem dias da nova Câmara são marcados por indicações e polêmicas

O recado nas urnas, em outubrodo ano passado, foi dado. E, ao que parece, os dez novos vereadores de Cabo Frio e os sete remanescentes da legislatura passada entenderam.

Completados cem dias da ‘nova Câmara Municipal’, o marasmo, le­targia e omissão registradas no que ficou conhecida como ‘Casa do Si­lêncio’ dos últimos quatro anos fo­ram substituídas por um perfil mais vibrante, embora ainda sem tantos resultados práticos. Levantamento feito pela reportagem, mostra que até o momento foram apresentados pelos parlamentares 33 projetos de lei e 33 projetos de resolução, o que dá uma média de aproximadamente quatro propostas por vereador.

Aliás, os números apontam para um Legislativo que ainda tenta or­ganizar a casa e limpar as próprias gavetas, sobretudo as da Comissão de Constituição e Justiça, antes de olhar para frente. Somente na CCJ foram dados 68 pareceres (40 a fa­vor e 28 contra) de projetos, vários deles da legislatura passada. Foram ainda 18 pareceres da comissão de Redação Final, sete da de Políticas Públicas e uma da de Finanças.

– Ainda temos algumas matérias em atraso da antiga gestão legislati­va. Estamos dando total celeridade e apressando os processos para que não fique nada pendente. Já resolve­mos muita coisa, mas não podemos deixar de colocar projetos atuais – disse o novato Guilherme Moreira (PPS), que preside a CCJ.

A vontade de mostrar serviço, so­bretudo nos próprios redutos eleito­rais e proximidades, é outro sintoma da grande presença dos ‘marinhei­ros de primeira viagem’. Foram apresentadas 77 indicações, a maior parte delas referentes à reformas de equipamentos públi­cos, colocação de semáforos e a construção de unidades munici­pais, entre outros. Em tempos de crise e caixa vazio na Prefeitura, muitas vezes a boa intenção não resulta em ações práticas.

Mas nem tudo pode ser conside­rado inócuo ou apenas freio de arru­mação. As novidades não se resumi­ram ao campo estático, uma vez que as históricas dependências do Poder Legislativo passaram por obras. Em raro momento de união entre governo e oposição, os vereado­res tiveram participação decisiva na solução do impasse que en­volvia o Ensino Médio munici­pal, que poderia levar ao fim do tradicional Colégio Rui Barbosa, por exemplo. A proposta que deu fim ao imbróglio (corte de 35% das turmas do primeiro ano) foi gestada nos gabinetes do Legisla­tivo municipal.

Mulheres representadas – De­pois de três mandatos seguidos sem uma representante sequer, as mu­lheres ocupam duas cadeiras na atu­al legislatura: Letícia Jotta (PSC) e Alexandra Codeço (PRB). Para Co­deço, elas já marcaram presença.

– Faço visitas regulares a diver­sos e departamentos e isso nos per­mite verificar o funcionamento des­ses locais e também ouvir a pessoas que utilizam os serviços. Isso faz com que o nosso trabalho como le­gislador seja muito mais produtivo e eficaz.