Assine Já
sexta, 06 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
olney vianna

Presidente do Sindicato dos Servidores diz ter sido agredido

Olney Vianna afirma ter sofrido agressões e ameaças na subprefeitura de São Cristóvão

21 maio 2014 - 11h35Por Nícia Carvalho
Presidente do Sindicato dos Servidores diz ter sido agredido
Olney Vianna, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Cabo Frio, afirmou à Folha  dos Lagos ter sido agredido física e verbalmente na Divisão de Serviços Urbanos (DSU), na subprefeitura de São Cristóvão, na última quinta-feira (15) . O sindicalista estava no local para informar aos cerca de 520 funcionários da Comsercaf, entre coletores e auxiliares de serviços gerais, sobre a assembleia unificada que ocorre na próxima segunda-feira e sobre os direitos da categoria. Ele afirma que recebeu socos no peito e na mão por homens que desejavam impedir a panfletagem. Ainda segundo Olney, os agressores ameaçaram  retaliações caso fosse feito registro de ocorrência.
 O presidente da Comsercaf, Antônio Martins Filho, e o diretor de serviços urbanos, Alexandre Santana, não foram encontrados pela reportagem da  Folha para comentar as acusações do líder sindical.
– Imputo a eles qualquer coisa que me aconteça a partir de hoje (ontem). Veja a que ponto chegou o jogo sujo do governo. Fui ameaçado  – diz Olney, garantindo que tanto o presidente da Comsercaf quanto o diretor de serviços estão cientes dos fatos ocorridos na divisão de serviços.
– Eu mesmo falei com o Alexandre (Santana) e ele disse que não podia fazer nada – acrescentou, afirmando que foi defendido pelo vice-presidente do sindicato, Fábio Santos, e pelo representante sindical Waldecir Luís. 
De acordo com  Olney, os encarregados o ameaçaram com frases como ‘lá fora você vai ver o que é bom’ e  ‘ faz ocorrência para ver o que te acontece’.
– Um deles chegou a dizer na frente de várias pessoas que ia acertar a mim e ao Fábio (Santos) com pauladas, deixando no chão sem respirar – afirmou.
Segundo Olney, os coletores vêm sendo ameaçados de suspensão e  recebido advertências por escrito por não voltarem ao trabalho após o almoço. A categoria alega que não há condições de trabalho e de higiene: faltam uniformes e equipamentos de proteção individual e até mesmo vestiário para banho. 
– Eles não querem que a classe seja conscientizada e exija seus direitos. É tudo articulado pela direção da Comsercaf com objetivo de enfraquecer o sindicato e penalizar os trabalhadores – acusa ele, aumentando o tom.
Coletores realocados – Olney Vianna afirmou que os servidores concursados estão sendo deslocados pela prefeitura de Cabo Frio da coleta de lixo domiciliar e hospitalar – função principal da classe –  para o recolhimento de galhos e entulhos.
 
Confira matéria completa na edição desta quarta-feira da Folha dos Lagos.