Assine Já
segunda, 30 de novembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Prefeitura

Prefeitura prepara cortes em pessoal para manter contas em dia

Secretário diz ser preciso cortar 20% das despesas para deixar balanço no azul

05 abril 2017 - 00h05Por Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Prefeitura prepara cortes em pessoal para manter contas em dia

Acabou o milho, acabou a pipoca. O velho ditado popular enquadra-se perfeitamente para descrever a atual situação finan­ceira de Cabo Frio. Depois de três meses de aumento nas recei­tas, impulsionado pelo pagamen­to do IPTU, a realidade agora é outra. Sem o ‘extra’, que deve bater na casa dos R$ 35 milhões – estimativa ainda sem o fecha­mento do mês de março – o go­verno terá que contar moedas e apertar os cintos, ou seja, cortar despesas com pessoal, custeio e investimentos. O secretário de Fazenda, Clésio Guimarães, afir­ma ser necessário enxugar 20% em toda a máquina municipal, mas deixa claro que a palavra final será do prefeito Marquinho Mendes (PMDB) em conjunto com o secretário de Administração, Deodoro Azevedo.

– A queda de arrecadação em abril já estava prevista. Está dentro do planejamento. Sei administrar, mas não sei fazer milagre. Para administrar é pre­ciso reduzir pessoal e despesas. Precisamos botar as coisas nos trilhos para que não tenhamos dificuldades – afirma.

Mas se o receituário amargo inevitavelmente prevê demis­sões e outros cortes, o secretá­rio garante que a população não pagará a conta da crise. Para engordar os cofres, Clésio con­ta com o dinheiro proveniente da cobrança judicial da Dívida Ativa, hoje em torno de R$ 400 milhões. Ele acredita que pelo menos a metade desse valor pos­sa ser recuperado por meio das execuções.

– A realidade do município e do país não permite o aumento de impostos. Eu, pessoalmente, sou terminantemente contra o aumento de imposto. O caminho é cobrar a Dívida Ativa e enxu­gar a máquina – comenta Clésio.

Aliás, os secretários já estão sendo obrigados a fazer o de­ver de casa. A Prefeitura divul­gou ontem que está fazendo um censo em toda sua estrutura para saber o número total de servido­res e onde estão lotados. As in­formações servirão de base para a reforma administrativa a ser implantada. Segundo a Admi­nistração, quem não fizer o reca­dastramento até o dia 15 terá o pagamento bloqueado.

Enquanto o trabalho não é concluído, não se sabe quantos servidores serão dispensados. Uma reunião entre o prefeito e os secretários para discutir esse e outros assuntos estava agenda­da para o fim da tarde de ontem, mas não tinha terminado até o fechamento desta edição.