Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Prefeitura de Cabo Frio quer empréstimo para pagar Educação

Prefeitura de Cabo Frio quer empréstimo para pagar Educação

Comissão levanta hipótese de o Legislativo pedir recursos para o Executivo, que está sem crédito

25 fevereiro 2016 - 10h22
Prefeitura de Cabo Frio quer empréstimo para pagar Educação

Com dívidas e sem certidões negativas, Prefeitura de Cabo Frio não pode realizar operações de crédito 

 

Uma inusitada ponte financeira entre os poderes Executivo e Legislativo pode dar fim ao problema dos atrasos nos pagamentos dos servidores da Educação de Cabo Frio. Durante a reunião da comissão especial que trata do tema na Câmara Municipal, realizada na manhã de ontem, foi levantada a hipótese de a Casa Legislativa pedir um empréstimo bancário para colocar em dia a folha salarial.

A possibilidade ainda será estudada pela partes, mas, caso ela seja bem-sucedida, o dinheiro seria repassado à prefeitura para quitar a dívida com o funcionalismo. Segundo estimativa do prefeito Alair Corrêa (PP), que participou do encontro com vereadores e representantes da categoria, são necessários cerca de R$ 30 milhões para regularizar a situação da folha da Educação.

A operação triangular aconteceria em função da prefeitura não ter as certidões negativas de débito necessárias para concretizar a transação. O fato, inclusive, é tido como o principal motivo para o governo não ter conseguido concluir operações de crédito semelhantes nos últimos meses, a fim de amenizar os efeitos da crise financeira no município.

A forma de ressarcimento dos cofres da Casa ainda será definida, mas a princípio a compensação se daria por meio de um aumento na verba mensal que é destinada pela prefeitura ao Legislativo, chamada duodécimo. A hipótese, sugerida pelo vereador Aquiles Barreto (SD), foi bem vista pelos vereadores que fazem parte da comissão, entre eles o presidente da Câmara, Marcello Corrêa (PP) e pelo próprio prefeito. A relação de parentesco entre eles foi vista como facilitador.

– Essa é uma possibilidade que pode ser estudada. O presidente da Casa é meu filho e certamente vai querer me ajudar – disse Alair Corrêa.

 

*Leia matéria completa na edição impressa da Folha desta quinta-feira (25).