Assine Já
segunda, 26 de outubro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Câmara

Prefeito vai à Câmara de Cabo Frio nesta terça-feira

Alair Corrêa (PP) visita a Casa na mesma data em que requerimento sobre Córrego Rico novamente entra em pauta

20 outubro 2015 - 10h15
Prefeito vai à Câmara de Cabo Frio nesta terça-feira

Em visita que não foi divulgada com antecedência, o prefeito de Cabo Frio Alair Corrêa vai acompanhar na manhã desta terça-feira (20) a sessão da Câmara Municipal de Cabo Frio. Coincidentemente, o mandatário foi à Casa Legislativa, na mesma data em que o requerimento pedindo explicações da Prefeitura sobre os contratos com a empresa Córrego Rico, que presta serviços ao município, entra novamente na pauta, depois de ter sido reprovado na semana passada. O assunto, aliás, foi a tônica do seu discurso, acompanhado por uma assistência composta em sua maioria por assessores e funcionários do Governo.

Desde o início mostrando-se muito irritado, o prefeito novamente alegou que no caso do aditivo contratual com a Córrego foram pagos apenas R$ 9 milhões e que o valor de R$ 27 milhões e que a diferença se deu em função do ‘erro de um funcionário’, no entanto, não disse quando a retificação com o valor correto será publicada. Além disso, atribuiu a contratação da empresa por conta de uma determinação do Tribunal de Contas do Estado dizendo que apenas ‘uma firma pode ser contratada’. Segundo o prefeito, além dos R$ 9 milhões em 2015, foram pagos à  Córrego Rico R$ 2 milhões no ano passado.

Usando expressões fortes, Alair criticou a imprensa e blogs considerados ‘de oposição’ por fazer ‘estardalhaço’ não apenas sobre esse assunto, mas sobre as recentes polêmicas envolvendo supostos repasses milionários para a Apae e o processo de licitação do Lanche do Operário, esse último objeto de investigação no Ministério Público. Apesar de tudo, o prefeito negou que tenha ido à Câmara para pressionar os vereadores e que se ausentaria do plenário na hora da votação para ‘não influenciar’ os parlamentares. Outras informações a qualquer momento ou na edição desta quarta-feira da Folha dos Lagos.