Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
prefeitura

Prefeitáveis buscam parcerias com lideranças estaduais

Candidatos a prefeito de Cabo Frio começam a deixar diretórios locais de lado

28 abril 2016 - 11h24

A concretização do apoio do Partido da República à pré-candidatura do deputado estadual Janio Mendes (PDT) reforça uma tendência nas costuras políticas para as eleições municipais deste ano: a do fechamento de acordos dos prefeitáveis cabofrienses com lideranças estaduais que passam por cima dos diretórios locais.
No caso de Janio, as conversas foram conduzidas diretamente com o presidente estadual do PR, o ex-governador Anthony Garotinho. Aliado do prefeito Alair Corrêa (PP) e mantido à margem do processo, o empresário Walmir Porto se desfiliou do partido e tem o futuro político indefinido, conforme publicado na edição de ontem da Folha.
Outro partido cobiçado neste período pré-eleitoral, o PSD agora está nas mãos do empresário Froilam Moraes, que também estuda se lançar como candidato. Mas recentemente a legenda se viu envolvida em um a disputa entre Janio e o deputado federal Marquinho Mendes.
Nos últimos meses, o partido passou pelas mãos de Rodrigo Siqueira, que é ligado a Janio, e Rodolfo Leite, que o assumiu após intervenção da executiva regional. Marquinho, inclusive já disse ter acordado o apoio dos pessedistas com os deputados estaduais Jorge Felippe Neto e André Corrêa e com o colega de Câmara e presidente do partido, Índio da Costa.
Outra situação mal resolvida diz respeito ao DEM. Enquanto Marquinho alega ter conversas avançadas com o deputado Rodrigo Maia para que os democraratas façam parte do seu arco de aliança, o presidente do diretório cabofriense, Dirlei Pereira, se articula para ganhar força em uma eventual candidatura. Caso sinta que não tenha condições de viabilizar seu nome, Dirlei, que atuou em três pastas diferentes do governo Alair, não descarta até mesmo integrar uma frente de oposição à atual gestão.
As influências de fora, no entanto, não se restringem às articulações para alianças. A proximidade com caciques regionais também é capaz de mudar a situação interna dos partidos.

Matéria completa na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos.