Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8058 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Alair

Por falta de assinaturas, votação das contas de Alair é adiada

Movimentação financeira nos anos de 2013 e 2014 constava na pauta desta terça (23)

23 agosto 2016 - 11h22Por Redação I Foto: Rodrigo Branco
Por falta de assinaturas, votação das contas de Alair é adiada

Aguardada com expectativa, principalmente após a polêmica sessão da última quinta (18), a votação das contas da administração do prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa (PP), nos anos de 2013 e 2014 foi adiada pela falta de quatro assinaturas de quatro vereadores da Comissão de Finanças, Orçamento e Alienação: Taylor Jasmin (PRB), Jéferson Vidal (PSC), Zé Ricardo (PMDB) e Vanderlei Bento (PMB), todos ausentes da Câmara nesta quarta (23).

Por isso, tanto os dois projetos de resolução com parecer favorável da Comissão de Finanças serão apreciados e votados possivelmente nesta quinta (25), mas isso depende da confirmação da pauta, que deve ocorrer até quarta (24).

Com a retirada das contas de Alair da ordem do dia, a rápida sessão teve apenas a apreciação de pareceres de outras comissões da Casa. Como de hábito, a assistência esteve cheia de servidores municipais da Educação, que protetsram bastante, levando o presidente Marcello Corrêa (PP) a pedir silêncio várias vezes.

Câmara não foi notificada por Justiça

De acordo com a assessoria da Câmara, o presidente Marcello Corrêa ainda não recebeu qualquer notificação da Justiça por causa da votação da última quinta, que reprovou por 9 a 0 as contas de 2012 do ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB) deixando-o, em tese, inelegível para as eleições deste ano. Segundo a defesa do peemedebista, o balanço financeiro daquele ano não poderia ter sido avaliado, por estar na Justiça, por causa de supostas irregularidades na prestação de informações da gestão seguinte, do atual prefeito. Por isso, uma liminar foi obtida ainda na madrugada de quinta (18).

Já a Câmara afirma que não cometeu qualquer irregularidade porque não votou o parecer do TCE-RJ, objeto da liminar, e sim o parecer contrário da Comissão de Finanças da Casa. A procuradora da Câmara, Polyana Lopes, deve dar uma entrevista coletiva na manhã desta quarta (24) para esclarecer o assunto.